×
492
Fashion Jobs
PUMA
E-Commerce Technology & Projects Specialist
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Account Manager Pleno
Efetivo · SÃO PAULO
RENNER
Product Owner (po) - Omni
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Manager (pm) - Marketplace
Efetivo · São Paulo
RENNER
Fashion Buyer / Comprador(a)
Efetivo · Porto Alegre
RENNER
Fashion Buyer - Comprador(a)
Efetivo · Porto Alegre
ADIDAS
Key Account Manager
Efetivo · Santana de Parnaíba
AMARO
Buyer & Developer
Efetivo · São Paulo
PAQUETA CALÇADOS
Analista de Business Intelligence
Efetivo · Canoas
PAQUETA CALÇADOS
Comprador
Efetivo · Sapiranga
AMARO
E-Commerce Manager
Efetivo · São Paulo
AMARO
Group Product Manager (Business Growth)
Efetivo · São Paulo
CAEDU
Analista Produtos Financeiros sr
Efetivo · São Paulo
YOUCOM
Consultor de Vendas (São Paulo) | Youcom
Efetivo · São Paulo
YOUCOM
Gerente de Loja Especializada (Mogi Das Cruzes - sp) | Youcom
Efetivo · Mogi das Cruzes
YOUCOM
Gerente de Loja Especializada (São José Dos Campos) | Youcom
Efetivo · São José dos Campos
YOUCOM
Consultor de Vendas Belo Horizonte | Youcom
Efetivo · Belo Horizonte
YOUCOM
Consultor de Vendas (Porto Alegre/ Barra Shopping) | Youcom
Efetivo · Porto Alegre
YOUCOM
Consultor de Vendas Sênior (Belo Horizonte) | Youcom
Efetivo · Belo Horizonte
YOUCOM
Gerente de Loja Especializada (São Paulo) | Youcom
Efetivo · São Paulo
YOUCOM
Consultor de Vendas Sênior (São Paulo - Center Norte) | Youcom
Efetivo · São Paulo
YOUCOM
Consultor de Vendas Londrina | Youcom
Efetivo · Londrina
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
14 de mar. de 2018
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Safilo encerra 2017 com perdas

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
14 de mar. de 2018

A Safilo encerrou 2017 com vendas e resultados em declínio. O grupo italiano, controlado pelo fundo holandês Hal, continua sendo fortemente penalizado pelo impacto negativo das marcas que já não fazem parte do seu portfólio. No ano passado, o grupo teve queda do seu volume de negócios para 1.047 milhões de euros (-16,4% em relação a 2016), sendo o terceiro ano consecutivo de perdas. 

Novo showroom da Safilo, em São Paulo - Safilo


O segundo maior fabricante de óculos do mundo sofreu uma perda líquida de 251,6 milhões de euros no ano passado, em comparação com 142,1 milhões em 2016, e 52,7 milhões em 2015. Segundo o grupo, essa perda se deve a eventos excepcionais, incluindo a desvalorização relacionada ao lançamento do negócio do grupo na Ásia, e as despesas de reestruturação não-correntes.

Excluindo eventos extraordinários, a perda ajustada foi de 47,1 milhões de euros. A empresa também teve queda no EBITDA, que passou de 89,9 milhões de euros para 25,9 milhões. O Ebitda ajustado aumentou de 88,8 milhões de euros para 41,1 milhões de euros em 2017. Com base neste balanço, o Conselho de Administração decidiu não pagar os dividendos para o exercício de 2017.

"2017 foi um ano desafiador para a Safilo, durante o qual enfrentamos a transformação da licença da Gucci em um contrato de fornecimento, e a difícil implementação do novo sistema de TI para a gestão do centro de distribuição de Padova, com impactos significativos em termos de serviço e oportunidades de pedidos. Tudo isso teve um impacto significativo nos resultados econômicos e financeiros do grupo", disse o presidente executivo, Eugenio Razelli, em um comunicado.

Razelli, no entanto, se mostrou otimista e se referiu a 2018 como “um novo começo para a Safilo" com a chegada, a partir de 1º de abril, do líder Angelo Trocchia (ex-Unilever). O gestor será o sucessor de Luisa Delgado, que liderou a empresa durante cinco anos.
 
Desde 1º de janeiro de 2017, a licença da Gucci, que gerava quase 350 milhões de euros por ano, foi transformada em um contrato de produção de quatro anos. Além disso, houve também a perda da licença da Céline, marca que pertence ao grupo LVMH. O grupo de luxo criou a joint venture Thelios com a empresa de óculos Marcolin, que detém 51% das ações, e à qual foi confiada a coleção de óculos da Céline. Em longo prazo, a Safilo também pode perder a licença da Dior, que foi renovada até 2020, assim como a da Fendi.
 
À taxas de câmbio constante, o grupo espera que as vendas de suas marcas que permaneceram dentro do escopo do grupo "continuem crescendo em 2018, compensando o término da licença da Céline". A empresa também espera uma recuperação nos mercados maduros e crescimento das vendas nos países emergentes.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.