×
892
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Jeanologia: a indústria que revolucionou as técnicas de acabamento do jeans

Por
Guia JeansWear
Publicado em
today 14 de ago de 2014
Tempo de leitura
access_time 5 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Da história de amor pelo próximo e pelo meio ambiente nasce a indústria que revolucionou a imagem, a manipulação e o conceito de uso da paixão mundial, o denim.

Enrique Silla, diretor presidente da empresa que estuda a ciência do acabamento do jeans, a espanhola Jeanologia, contou com exclusividade para a Editora de moda do Guia JeansWear, Iolanda Wutzl, a trajetória do seu amor pelo denim, adiantando sobre a abertura da Jeanologia no Brasil.

Enrique Silla, diretor presidente da espanhola Jeanologia


Guia JeansWear: Enrique, conte para nós sobre o início de sua carreira e como nasceu a paixão pelo denim.
Enrique Silla: Após sair da universidade, fui trabalhar em uma empresa irlandesa chamada Burlington, um dos maiores fabricantes de denim do mundo. Foi quando tive contato e me apaixonei pelo denim.

GJW: Quando você começou a desenvolver produtos para beneficiamento de jeans?
ES: Comecei a trabalhar com denims e jeans lavados, depois criei minha própria empresa de químicos, que funcionou de 1987 a 1993.

GJW: E quais produtos exatamente a empresa fabricava?
ES: Produtos para beneficiar o jeans em geral, mas o que nos colocou na ponta foi termos inventado a enzima. Lembro-me bem de que nosso primeiro cliente no Brasil a utilizar a enzima foi a antiga Staroup.

GJW: O que o levou a investir radicalmente nessa nova tecnologia, que praticamente elimina o consumo de água e de produtos químicos para beneficiamentos dos jeans?
ES: Com essa empresa de químicos pude conhecer melhor os processos das lavanderias e ficava impressionado com o grande desperdício de água, além do índice extremamente alto de poluentes produzidos. Também me chocava com os danos à saúde causados pelas máquinas de jato de areia para quem as manuseava, principalmente quando químicos como o permaganato, por exemplo, era adicionado no processo. Foi então que em 1993 eu e alguns engenheiros criamos a Jeanologia, que significa "a ciência de acabamento do jeans", e logo depois vendi a empresa de químicos para um grupo inglês, o Denim Quimical. Com a criação da Jeanologia desenvolvemos tecnologia e consultoria para eliminar água, químicos, processos que são prejudiciais aos trabalhadores e para economizar energia dentro das lavanderias. Para o nascimento e sucesso da Jeanologia formamos uma equipe de designers, engenheiros eletrônicos e engenheiros mecânicos para desenvolvimento dos maquinários.

Sede da empresa, localizada no Setor Tecnológico, Valência, Espanha.


GJW: Quando nasceu a primeira máquina a laser da Jeanologia?
ES: De 1993 a 1998, a Jeanologia trabalhou em consultoria e conscientização das lavanderias do mundo inteiro, em busca de incentivar a melhora dos processos produtivos e de desenvolver a criatividade para a evolução desses mesmos processos. Em 1998 inventamos a primeira máquina de laser, e nosso primeiro cliente foi a Itac Lab, empresa italiana. Inclusive, por esses dias, compramos essa mesma máquina laser de volta porque vamos montar um museu do denim em Valência, acredito que da próxima vez que voltar à cidade visitará nosso museu. No Brasil, vendemos a primeira máquina laser para a lavanderia Bela Vista em 2001. A partir daí focamos nossas forças nessa tecnologia. A princípio, as empresas achavam que laser era puro marketing, não levavam a sério, hoje 20% do jeans fabricado no mundo é beneficiado com tecnologia laser. Acredito que no Brasil chega a ser de até mais que 20%. Mesmo assim, ainda temos um longo caminho a percorrer, segundo o Greenpeace, 20% da poluição das águas do nosso planeta provém da indústria têxtil.

GJW: Em sua opinião, como a máquina de ozônio revolucionou o mercado de beneficiamentos de denim?
ES: Buscávamos uma forma de envelhecer camisas de fio tinto com químicos e não obtínhamos sucesso. Começamos então a pesquisar em diversos lugares com diferentes comportamentos climáticos e pudemos perceber que nas montanhas do Canadá, por exemplo, as camisas se preservavam como novas, enquanto na baixada do Rio de Janeiro, lugar de oceanos, as camisas envelheciam rápido. A partir dos resultados foi possível concluir que a diferença de quantidade de oxigênio provocava tal alteração, e foi daí que criamos literalmente a máquina do tempo – ela envelhece em 5 minutos algo que na natureza levaria 5 anos. A máquina de ozônio revolucionou os efeitos no jeanswear, se formos pensar a tecnologia de ozônio é perfeita: pegamos o ar, transformamos em ozônio, usamos para envelhecer as peças, depois convertemos de novo em ar natural. É o ciclo perfeito e tudo isso sem utilizar água e químicos no processo.

GJW: Qual é o próximo lançamento que a Jeanologia levará ao Brasil?
ES: A máquina E-FLOW. Essa máquina propõe um acabamento revolucionário com micro bolhas que carregam em sua superfície a química, que entrará em contato com a peça sem molhar, apenas as umedecendo uniformemente resultando no acabamento proposto.


GJW: Como você vê o Brasil em relação à aceitação dessas tecnologias?
ES: Acredito que nos próximos 5 anos o povo brasileiro absorverá melhor a sustentabilidade de fato, porque amam a natureza e estão lutando para preservá-la. Creio que irão compreender que a forma de fabricar o jeans deve ser tão atraente quanto a calça deve ser sexy.

GJW: Quanto ao custo benefício, quais as dificuldades de levar as tecnologias laser e ozônio para o Brasil?
ES: Os altos impostos sobre a importação é o fator que mais onera o valor final dos nossos maquinários, mas acreditamos que, se o governo brasileiro se conscientizar dos efeitos positivos do uso dessas novas tecnologias com relação ao meio ambiente e também com relação a melhores condições de trabalho, veríamos esse valor cair consideravelmente. Algo que, sem dúvidas, facilitaria a importação e traria significável melhoria para esse segmento da indústria brasileira. É importante recebermos esse apoio, pois lutamos também para o bem das pessoas e do meio ambiente.

GJW: E quando teremos de fato a Jeanologia no Brasil?
ES: Temos um representante no Brasil que visita todas as regiões. Nossa prioridade no momento é criar a Jeanologia Brasil para atender à demanda brasileira de beneficiamentos. Temos imenso carinho pelo país e o consideramos um mercado muito importante. Já trabalhamos com grandes nomes como Staroup, Zoomp, Forum, entre outros, sendo que alguns são nossos clientes até hoje.

Imagens: Equipe Guia JeansWear

Copyright © 2019 Guia JeansWear. Todos os direitos reservados.