×
908
Fashion Jobs
CAEDU
Gerente de Grupo Produto - Infantil
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Supervisor de Vendas - Barueri
Efetivo - CLT · Barueri
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís

Inditex aumenta volume de negócios em 9% para 25.336 milhões

Por
EFE
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
today 14 de mar de 2018
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

O grupo Inditex, proprietário de cadeias como Zara ou Massimo Dutti, alcançou um lucro líquido de 3.368 milhões de euros no último exercício fiscal (encerrado em janeiro), 6,7% a mais do que no ano anterior, enquanto as suas vendas se situaram em 25.336 milhões, com um crescimento de 8,7%, informou a empresa.


Reuters


Pela primeira vez, a Inditex contabilizou as suas vendas através da internet, que cresceram 41% em relação ao exercício anterior e representaram 10% do seu volume de negócios total, cerca de 2.530 milhões de euros.
 
Nos países onde opera online (49, com a Austrália e a Nova Zelândia a juntarem-se ontem), as vendas através da internet representam 12% do total.

Em termos comparáveis ​​(lojas abertas há mais de um ano, tanto online como físicas), o aumento das vendas foi de 5%, metade do que em 2016, quando aumentaram 10%, de acordo com a empresa, o que enfatizou que este indicador cresceu em todos os mercados nos quais opera.
 
A taxas de câmbio constantes, o faturamento do maior grupo de distribuição do mundo aumentou 10%, o que implica que a força do euro diminuiu 2,5 pontos a melhoria no seu volume de negócios.

O lucro operacional bruto (EBITDA) totalizou 5.277 milhões, 3,8% a mais do que em 2016, quando aumentou 8%, de acordo com as contas apresentadas pela Inditex, cujos investimentos ordinários foram de 1.545 milhões (+ 8%) e os extraordinários de 256 milhões.

Com estes números, a Inditex amplia a distância face aos seus principais concorrentes na luta pelo trono da moda, como H&M, Uniqlo ou Gap.
 
Quanto ao exercício atual, o grupo fundado por Amancio Ortega avançou que as vendas em loja e online a taxas de câmbio constantes aumentaram 9% no período entre 1 de fevereiro e 11 de março.

De volta às contas de 2017, a Espanha contribuiu com 16,3% das vendas do grupo, em comparação com 16,9% no ano anterior, enquanto a Ásia reduziu o seu peso de 23,9% para 23,2% e o resto da Europa o aumentou de 43,9% para 44,9%. A América passou de 15,3% para 15,6%.

Por cadeias, a Zara faturou 16.620 milhões, 8% a mais (em 2016 o crescimento foi de 13%), a Pull&Bear 1.747 (12%), a Massimo Dutti 1.765 (8%), a Bershka 2.227 (11%), a Stradivarius 1.480 (10%), a Oysho 570 (12%), a Zara Home 830 (7%) e a Uterqüe 97 milhões (17%).

A margem bruta (o que obtém em bruto por cada item vendido) foi de 56,3%, em comparação com 57% no ano anterior. A taxas constantes, a margem seria de 56,8%, de acordo com a Inditex, que encerrou o seu ano fiscal com 171.839 funcionários, mais 5,7%.

No final de janeiro, a Inditex tinha 7.475 lojas, após contabilizar 524 aberturas em 58 mercados, 341 aquisições de pequenas lojas por outras maiores, 144 extensões e 122 renovações.

Em 2018, a Inditex investirá cerca de 1,5 bilhões e planeja aumentar o seu espaço em locais chave em 6% (em 2017 o aumento foi de 7,4%), com entre 350-400 aberturas brutas e a absorção de cerca de 200 unidades.

Para os exercícios seguintes, estima um crescimento de espaço em locais chave entre 4 e 6% "em conjunto com o desenvolvimento online global", de acordo com a mesma fonte, que salientou que espera um aumento no investimento ordinário abaixo do crescimento de espaço nos próximos anos.

© EFE 2019. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.