×
995
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Índice sugere que o Brasil é o país mais caro em vestuário

Publicado em
today 14 de jan de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

O Brasil é o país mais caro do mundo em produtos de vestuário, conforme sugere o "Índice Zara", do BTG Pactual, que compara os preços de peças vendidas pela rede varejista Zara nos Estados Unidos com outros praticados em 43 países. Seguindo uma proposta semelhante ao mais conhecido Índice Big Mac, que compara o preço do hambúrguer em mais de 100 países, o Índice Zara revelou que o sistema tributário complexo e os diversos gargalos em logística acabam pesando no bolso do consumidor brasileiro na hora de comprar roupas, sendo os produtos aqui, em média, 18% mais caros que os Estados Unidos para uma cesta de 12 itens.


Fatores como complexidade do sistema tributário, regulatório e os gargalos em logística colocaram o Brasil como o mais caro do mundo em produtos de vestuário, de acordo com o "Índice Zara" - Foto: Divulgação


 
‘’A escolha da Zara se deu por se tratar de uma empresa global em expansão para novos mercados (tanto no varejo físico quanto online), com execução premium e uma referência no conceito de fast-fashion em vestuário, com uma estratégia de produção rápida e contínua de peças, trocando as coleções a cada 15-18 dias, levando ao consumidor as últimas tendências da moda de forma ágil e com preços acessíveis’’, afirmou o analista do BTG Pactual, Fábio Monteiro, que elaborou o Índice ao lado de Luiz Guanais.
 
Esta é a quarta edição do estudo, que começou a ser feito pelo BTG Pactual em 2014, quando o Brasil também liderava o ranking, com produtos 21,5% mais caros do que nos EUA.

‘’O Brasil não é um país simples para empresas estrangeiras, com sistema tributário complexo (incluindo tributos em cascata e alíquotas diferentes, dependendo do estado) e gargalos em logística, encarecendo o custo de se operar no país’’, avaliou Fábio Monteiro.
 
O analista do banco explica ainda que o risco cambial é outro fator a ser levado em consideração na composição do preço da roupa:
 
“No Brasil, o risco cambial da Zara é maior, assim como o lead time, pois muito pouco é produzido localmente - apenas 92 fábricas estão localizadas no Brasil ou na Argentina, representando 1,3% das fábricas que produzem para a Zara globalmente (7.210). Essa estratégia é distinta da estrutura de operação global da varejista espanhola, em que a distribuição é centralizada e 57% das fábricas está concentrada no eixo Espanha, Portugal, Marrocos e Turquia.”
 
 Uma das cadeias internacionais mais globalizadas, e com uma ampla presença em diversos países do mundo, a Zara dedica-se à venda de roupas e é de propriedade do grupo econômico espanhol Inditex (líder mundial em distribuição de moda). A marca tem mais de duas mil lojas que vendem os mesmos produtos, distribuídos em quase 100 países, e que geram uma receita anual de US$ 10.900 milhões. Sua  política comercial  tem  como premissa  chegar a todos os  mercados  do mundo praticamente com um único catálogo. No Brasil, a operação da Zara começou em 1999. Desde então, 56 lojas foram abertas.
 
 
 

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.