×
160
Fashion Jobs
L'OREAL GROUP
Analista de Business Intelligence Pleno - Divisão Grande Público
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
INTJOBS
Missão Humanitária Internacional de Saúde: Todas as Especialidades
Efetivo - CLT · RIO DE JANEIRO
PUMA
IT Infrastructure Specialist
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista de Produtos Financeiros pl
Efetivo - CLT · São Paulo
PUMA
Key Account Manager
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Analista CRM pl - Segmentação
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Cidade de São Paulo
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Center Shopping Uberlândia
Efetivo - CLT · Uberlândia
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Del Rey
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Uberaba
Efetivo - CLT · Uberaba
AMARO
Compliance Analyst
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
MARISOL
Banco de Talentos - Desenhista
Efetivo - CLT · Jaraguá do Sul
MARISOL
Auxiliar de Estilo
Efetivo - CLT · Jaraguá do Sul
L'OREAL GROUP
Formador(a) Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
MARISOL
Operador Beneficiamento - Acabamento de Malhas
Efetivo - CLT · Jaraguá do Sul
CAEDU
Analista de Atração e Seleção jr
Efetivo - CLT · São Paulo
CAEDU
Jovem Aprendiz
Efetivo - CLT · Cajamar
AMARO
Gerente de Loja Campinas
Efetivo - CLT · Campinas
L'OREAL GROUP
Analista de Laboratório (Hair da)
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Operações - Analista de Transporte Outbound
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Coordenador de Jbp - Divisão Grande Público
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Analista de Laboratório (Fotoproteção)
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
Por
AFP
Publicado em
15 de abr de 2013
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

China: o crescimento continua elevado, mas seus fundamentos são frágeis

Por
AFP
Publicado em
15 de abr de 2013

O crescimento da China acelerou ligeiramente no primeiro trimestre de 2013, em relação ao trimestre anterior, estimam os analistas entrevistados pela AFP que, contudo, jugam esta recuperação frágil e os números do comércio exterior, no mês de março, sujeitos à reavaliação.

O distrito financeiro de Changai (AFP)


A alta do produto interno bruto (PIB) durante os três primeiros meses do ano deve ter atingido 8% no acumulado do ano, segundo a previsão média deste painel de 12 economistas, ou seja, um pouquinho mais do que os 7,9% registrados pela segunda maior economia mundial no quarto trimestre de 2012.

O governo deve anunciar nesta segunda-feira o número oficial do crescimento para o primeiro trimestre. Em 2012, o PIB chinês registrou, com 7,8%, seu mais fraco aumento em 13 anos, mas Pequim manteve seu objetivo de crescimento para este ano, chegar a 7,5%.

Para sustentar o crescimento, no ano passado, o Banco Central chinês tornou flexível a política monetária e as condições de crédito, supervisionando de perto a inflação, politicamente sensível.

Por hora, a alta dos preços continua moderada, em apenas 2,1% no acumulado do ano em março, mas poderia acelerar por conta do crescimento muito rápido do crédito em janeiro e em março.

"Apesar de as vendas no varejo terem continuado de vagar no primeiro trimestre, por conta da onda de repressão do governo contra a corrupção e os gastos desmedidos dos responsáveis oficiais, as vendas estão muito mais fortes do que o previsto no setor "automotivo e imobiliário", segundo Liu Ligang, economista do banco Australia and New Zeland (ANZ).

Mas, segundo este analista, as vendas de imóveis foram favorecidas por uma corrida dos compradores antes da instituição das novas medidas restritivas para refrear a especulação, e as melhorias poderiam, por conseguinte, não durar.

"Antes de tudo, a economia é sustentada por projetos de infraestrutura... o que não pode, de maneira nenhuma, ser mantido a longo prazo", avalia, por sua vez, Shen Jianguang, da corretora Mizuho Securities de Hong Kong.

Ele ressalta particularmente que "o consumo de eletricidade em março conheceu um crescimento nulo, o que significa que a demanda de investimento estava muito fraca por causa do excesso de capacidade".

Os números do comércio exterior, para o mês de março, durante o qual a China, que geralmente apresenta superávit, registrou um pequeno déficit de 880 milhões de dólares, são observados com ceticismo por muitos analistas.

Alistair Thornton e Ren Xianfang, da IHS Global Insight, ressaltam que dessa forma as exportações para Hong Kong – as quais servem principalmente de plataforma de "reexportação" para outros destinos – aumentaram 93% no mês passado, ao passo que as exportações para a União Europeia e os Estados Unidos, principais destinos dos produtos chineses, diminuíram respectivamente 14% e 7%.

"Isso parece, ao menos, um pouco contraditório", segundo os economistas que se perguntam se alguns exportadores não inflaram artificialmente seus pedidos para fazer com que capitais especulativos entrassem na China.

Falsos pedidos de compra também puderam ser validados para beneficiar abatimentos fiscais sobre as exportações, considerando que "certo nível de pressão política" pôde ser utilizado para que pedidos fossem registrados com antecedência, com a finalidade de melhorar as estatísticas durante a transição política na cúpula do partido no mês passado na China, avaliam ainda os analistas.

Durante os dois primeiros meses do ano, as exportações haviam crescido 21,8%, um número "provavelmente manipulado, por conta do fato de os exportadores terem inflado suas declarações para poder importar divisas", juga assim Lu Ting, do Bank of America – Merril Lynch.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.