×
Por
Ansa
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
7 de abr de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Westwood, os 80 anos de um ícone que não envelhece

Por
Ansa
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
7 de abr de 2021

Nascida nas Midlands inglesas em 8 de abril de 1941, Vivienne Westwood completa sua oitava década de vida 'young at heart', isso ninguém pode negar. É o espírito combativo e o senso de estilo irreverente que lhe permitem permanecer protagonista na história da moda mundial depois de meio século de trajetória. E em 2021 a matriarca da moda britânica tem várias comemorações: o 50º aniversário de sua estrondosa estreia no Swinging London e o 40º aniversário do primeiro desfile destinado a consagra-la como a rainha rebelde da moda britânica.


@viviennewestwood


Filha de um casal de trabalhadores têxteis de Derbyshire, Vivienne começou a desenhar roupas em 1971 com seu sócio Malcom McLaren, vendendo-as na histórica boutique londrina localizada no número 430 da Kings Road, que teria mudado de nome e mobília várias vezes, refletindo a evolução criativa da dupla. De Let it Rock a Too Fast To Live, Too Fast Too Die, quando as primeiras coleções foram inspiradas em roqueiros que se tornaram seguidores da estilista, como Ringo Starr, até o sexo explícito: com vestidos de couro, camisetas de borracha, correntes e imagens picantes que causaram tanto escândalo que obrigaram a polícia a fechar as venezianas da loja. Mas a futura dame Vivienne e seu companheiro não desistiram e em 1976 reabriram as portas da loja, desta vez rebatizando-a de Seditionaires, um jogo de palavras entre sedução e sedição, oferecendo uma coleção capaz de definir a cultura Punk.

É nessa época que McLaren se tornou empresário de uma nova banda revolucionária, os Sex Pistols, um grupo musical símbolo do movimento punk que adota o código estilístico da Queen Viv, ou o conceito de moda como ferramenta de luta contra o establishment. Começando com a própria Elizabeth, ridicularizada no grito do sucesso imortal God Save The Queen.

Em 1981, a estilista realizou seu primeiro desfile com a coleção “Pirates", e inaugurou uma nova fase de sua linguagem criativa, o New Romantic. Depois das cristas, alfinetes e pregos dos rebeldes dos anos 70, vieram os espartilhos, as crinolinas, as cestas dos hedonistas anos oitenta, enquanto a ascensão de Westwood continuou a todo vapor. Em 1982, ela foi a primeira inglesa depois de Mary Quant a ser incluída no calendário de desfiles de moda de Paris. A Cidade Luz foi o palco da queda memorável - registrada nos anais da moda - de Naomi Campbell, que tropeçou nas vertiginosas plataformas de Vivienne "projetadas para içar a beleza feminina em um pedestal". 

Em 1992, Westwood foi recebida pela própria Elizabeth II, quase como num encontro de soberanas, e homenageada - apesar dos confrontos anteriores da era punk - com a prestigiosa Ordem dos Ingleses Empire (OBE) por seus méritos artísticos; uma honra e um título que a nova dame Viv aceitou com aparente respeito à etiqueta, exceto para surpreender os fotógrafos ao final da cerimônia com um levantamento provocativo de uma saia look nude.

No mesmo ano, a estilista se casou com um de seus alunos da Escola de Moda de Viena, Andreas Kronthaler, 25 anos mais jovem, que a partir daquele momento se tornou o braço direito de confiança até herdar a direção criativa da marca em 2016. Uma marca consolidada ao longo do tempo como plataforma de comunicação e um compromisso civil progressista sob a bandeira de slogans como "Make Love, Not Fashion" ou "Buy Less, Choose Well, Make it Last”. Nos últimos anos, transformou-se em um veículo de campanhas de conscientização da opinião pública sobre temas como o combate ao consumismo extremo, a luta pelo meio ambiente, contra os efeitos das mudanças climáticas, pela paz, em defesa da liberdade de Julian Assange.

Desafios conduzidos não apenas com palavras ou com provocações, mas também pelas escolhas concretas de coleções agora feitas com materiais e métodos de produção eco-sustentáveis. Porque não há dúvidas que o espírito rebelde da ex-rainha do punk continua vivo. Sua missão agora? Uma Revolução Verde para travar "a guerra pela sobrevivência da raça humana e do planeta". Feliz aniversário, dame Viv.

Copyright © 2021 ANSA. Todos os direitos reservados.