Wanda Ferragamo, matriarca da famosa marca de calçado, morre aos 96 anos

Wanda Ferragamo, presidente honorária da marca de calçado florentina criada pelo seu marido Salvatore, faleceu aos 96 anos, revelaram os seus parentes na sexta-feira.


Wanda Ferragamo - Photo: Salvatore Ferragamo

Wanda era viúva desde a morte do seu marido há 58 anos, tendo assumido o comando da Salvatore Ferragamo ao lado da sua filha de 16 anos, aprendendo rapidamente a gerir um negócio enquanto criava a sua outra filha, de seis anos. Wanda elevou a marca de calçado no mercado internacional de moda, estendendo as suas atividades ao prêt-à-porter e acessórios.
 
O grupo entrou na bolsa de valores de Milão em 2011 e no ano passado reportou receitas no valor de 1,4 bilhões de euros (1,6 mil milhões de dólares). Nos últimos meses, a família teve que enfrentar várias vezes rumores de uma possível venda do grupo e em julho contratou Micaela Le Divelec Lemmi, antiga dirigente da Gucci, como nova CEO.

A Ferragamo, que emitiu um alerta de lucro em dezembro, teve que lutar contra a queda nas vendas e nos lucros, em parte motivada por uma limpeza de stocks. Em julho, o grupo anunciou que continuaria investindo para relançar a marca.

"É com imensa tristeza que anunciamos o falecimento da nossa mãe", declararam Giovanna, Ferruccio, Leonardo e Massimo Ferragamo numa mensagem destinada aos funcionários. "Os seus preciosos ensinamentos e a sua memória permanecerão para todos nós um exemplo de retidão e de grande paixão pela vida."

Mesmo depois de confiar ao seu filho Ferruccio a presidência do grupo, Wanda manteve um papel ativo na empresa. Marilyn Monroe esteve entre os clientes da Ferragamo, que criou para a atriz um escarpin de salto alto que se tornou um modelo emblemático da marca.

Traduzido por Estela Ataíde

© Thomson Reuters 2018 All rights reserved.

Luxo - CalçadosPersonalidades
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER