×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
21 de jan de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Vendas da Richemont sobem impulsionadas pelas joias, mas moda sofre

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
21 de jan de 2021

No terceiro trimestre do ano fiscal da Richemont, encerrado no final de dezembro de 2020, as vendas da empresa aumentaram apenas 1%, embora tenham subido saudáveis ​​5% ano a ano em moeda constante, apesar do "ambiente continuamente volátil".


Chloe - Outono-Inverno 2020 - Moda feminina - Paris. - © PixelFormula


Assim como seus outros concorrentes de luxo, o desempenho variou bastante por região. A empresa disse que registrou "vendas robustas na Ásia-Pacífico, Oriente Médio e África, ambas áreas com crescimento de dois dígitos à taxa de câmbio atual”, um resultado que, segundo ela,  “mais que compensou" a queda de um dígito na América e no Japão e a "contração acentuada na Europa".
 
O aumento de dois dígitos nas vendas do varejo online e o aumento de um dígito nas vendas do varejo físico puderam compensar a redução nas vendas no atacado à taxa de câmbio atual. Muitos consumidores podem até ter ficado em casa, mas isso não os impediu de comprar joias ultramodernas e a empresa viu um bom desempenho na divisão “Jewellery Maisons”, enquanto registrou “resultados amplamente estáveis ​​ou menores" nas outras divisões à taxa de câmbio atual.

As vendas totais da Richemont atingiram 4186 milhões de euros. As vendas das “Jewellery Maisons” aumentaram 9% (ou +14% à taxa de câmbio constante) para 2366 milhões de euros. A divisão de relógios especializados registrou queda de 7% (-4% à taxa de câmbio constante) para 758 milhões de euros, enquanto seus distribuidores online, como Yoox e Net-A-Porter, registraram vendas estáveis (+4% à taxa de câmbio constante) de 668 milhões de euros. Sua categoria "Outros" (que inclui operações de moda como Chloé, Dunhill e Alaïa) teve um trimestre ruim com uma queda de 16% (-13% à taxa de câmbio constante) para 436 milhões de euros.
 
Em relação aos resultados regionais, o trimestre “caracterizou-se por um desempenho misto entre regiões” devido à interrupção do fluxo turístico e ao fechamento de lojas. Mas o aumento geral nas vendas foi impulsionado por um crescimento de 25% na Ásia-Pacífico, onde os resultados "sólidos" na China continental (80%) e no Taiwan (29%) "mais que compensaram as quedas em outros países asiáticos".
 
As vendas na Europa caíram 20% devido ao baixo nível de turismo e ao fechamento de lojas, enquanto na América as vendas aumentaram 3%, "apoiadas por vendas internas relativamente fortes". O impressionante crescimento das vendas de 27% no Oriente Médio e na África "refletiu o forte desempenho em todos os canais, a retomada dos gastos dos turistas em Dubai e o sólido consumo interno, especialmente na Arábia Saudita”. As vendas no Japão aumentaram 1%, "beneficiando-se da forte demanda local antes das medidas de saúde pública serem restauradas nos principais centros populacionais”.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.