×
Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
25 de jan. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Vendas da Hublot e Bulgari (LVMH) superam níveis pré-pandemia

Por
Reuters API
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
25 de jan. de 2022

Em 2021, as vendas das marcas de relógios de luxo da LVMH, Hublot e Bulgari, superaram os níveis de 2019, e é esperado um crescimento ainda maior este ano devido à forte demanda dos EUA, disseram executivos da empresa à Reuters antes da LVMH Watch Week, que começou na segunda-feira (24).


DR


Hublot e Bulgari, juntamente com Zenith e TAG Heuer, estão realizando a LVMH Watch Week online, com apresentações digitais de suas últimas coleções.n A Hublot apresentou uma versão extrafina de seu relógio Big Bang, enquanto a marca italiana Bulgari mostrou seus Serpenti Misteriosi, relógios escondidos em pulseiras e anéis semelhantes a cobras. 

Os relógios Serpenti, que podem custar até 240.000 euros para os modelos mais caros, são movidos por um novo movimento Piccolissimo mecânico em miniatura.

As vendas de relógios de luxo suíços caíram acentuadamente em 2020, quando a pandemia fechou lojas e restringiu o turismo. Mas se recuperaram no ano passado, com as exportações de relógios suíços ligeiramente acima dos níveis de 2019 no final de novembro, graças à forte demanda nos Estados Unidos e na China.

As exportações de relógios da Suíça para o ano inteiro vencem em 27 de janeiro, mesmo dia em que o grupo de artigos de luxo LVMH divulgará os resultados do ano inteiro.

"2021 foi um bom ano, nos saímos melhor do que em 2019", disse o presidente-executivo da Hublot, Ricardo Guadalupe, em entrevista na segunda-feira, destacando o crescimento de 30% nas vendas nos Estados Unidos e 'excelentes números' na China continental. "Obviamente, não veremos a mesma forte recuperação entre 2021 e 2022, mas acreditamos que teremos um crescimento sólido."

O executivo também disse que os compradores turísticos ainda estavam ausentes e que os problemas da cadeia de suprimentos, principalmente devido a trabalhadores doentes com a variante Omicron, causaram atrasos na produção que devem ser resolvidos até o verão no hemisfério norte.

O presidente-executivo da Bulgari, Jean-Christophe Babin, disse à Reuters que a marca também se saiu melhor no ano passado do que no pré-pandemia de 2019, graças aos ganhos de participação de mercado.

"Queremos continuar com essa tendência positiva em 2022", disse ele, acrescentando que novos modelos de ouro amarelo devem ajudar a atrair consumidores americanos que são fãs desse tipo de ouro, enquanto os asiáticos tendem a preferir o ouro rosa. "Os Estados Unidos se tornaram nosso segundo maior mercado no ano passado e têm uma das melhores taxas de crescimento atualmente", disse Babin.

A Kering, o outro grande grupo francês de artigos de luxo que concorre com a LVMH, disse na segunda-feira que está desinvestindo em suas marcas suíças de relógios, Girard-Perregaux e Ulysse Nardin.
 

© Thomson Reuters 2022 All rights reserved.