×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
22 de jan de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Vendas da Burberry caem novamente devido à Covid, mas permanecem fortes na Ásia

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
22 de jan de 2021

As vendas no varejo da marca britânica de luxo Burberry caíram no terceiro trimestre, com a Europa e a América sendo duramente atingidas. Apesar disso, as vendas na China e Coreia, os artigos de couro, agasalhos e as vendas com preço cheio estão na direção certa, informou a companhia.


Pré-coleção outono/ inverno 21 da Burberry. - Burberry


Nas 13 semanas até 26 de dezembro, a empresa registrou queda de 4% na receita do varejo para 688 milhões de libras, enquanto as vendas comparáveis ​​caíram 9%, ante um aumento de 3% um ano atrás.

O CEO Marco Gobbetti disse que a empresa de luxo "fez um bom progresso nas prioridades estratégicas". "Vimos um forte aumento nas vendas com preço cheio, pois nossas coleções e comunicação repercutiram bem entre clientes novos e mais jovem, bem como entre os clientes já existentes. Nossos planos localizados e recursos digitais ajudaram a impulsionar o crescimento em mercados em recuperação e implementamos a diminuição planejada nas remarcações. Embora as perspectivas de curto prazo permaneçam incertas devido à Covid-19, estamos bem posicionados para acelerar quando a pandemia for mais branda”, declarou.

O trimestre foi certamente desafiador diante dos fechamentos de lojas devido à Covid (em média 7%). Mas as vendas de couro e agasalhos aumentaram em uma base percentual e o crescimento das vendas digitais e de preço cheio foi de mais de 50%, com a China continental registrando um aumento de três dígitos.

As vendas comparáveis ​​na Ásia-Pacífico aumentaram 11%, com forte crescimento na China continental e na Coreia, embora na EMEA tenham diminuído 37% devido à queda no número de turistas e aos fechamentos temporários de lojas. Nas Américas, elas caíram 8%, uma vez que o aumento no preço das vendas foi compensado pela diminuição planejada das remarcações.

A empresa disse que espera um "progresso contínuo nos objetivos estratégicos no quarto trimestre" com "mudanças em preços cheios, regionais e no mix de canais" estabelecidas para beneficiar as margens brutas, embora "ventos contrários persistam". Com 15% de suas lojas fechadas atualmente e 36% com horário reduzido, a Burberry disse que "o comércio continuará suscetível às interrupções regionais" no trimestre atual.

De modo geral, os números do terceiro trimestre foram impressionantes e, embora concentrados no desempenho das vendas de itens com preço cheio, ignoraram grande parte das vendas geradas pelos descontos. A empresa disse que a redução planejada nas remarcações distorceu significativamente os números de vendas comparáveis, de modo que as vendas de preço cheio fornecem um panorama melhor de onde se encontra.

Visto de uma perspectiva de preço cheio, e mesmo com 15% de sua rede de lojas fechadas no auge do terceiro trimestre e outras lojas operando com horários reduzidos, a companhia atingiu um aumento de vendas de um dígito alto no período. As vendas a preço total foram "particularmente fortes nos mercados em recuperação - América, China continental e Coreia - onde os esforços resultaram em um crescimento de dois dígitos".

A Burberry também investiu mais em marketing no trimestre, com uma campanha com o jogador de futebol que virou ativista contra a pobreza infantil, Marcus Rashford, que gerou uma resposta "excepcional" do consumidor.

Durante a pandemia, a empresa também incrementou a tecnologia digital e destacou que as inovações como pop-ups digitais e ativações locais em sua loja virtual ajudaram a impulsionar o crescimento de 50% mencionado acima.

Para o futuro, a empresa espera apenas "um aumento modesto" nos custos de conformidade para o comércio de fronteira, bem como algumas taxas adicionais de acordo com as regras de origem vinculadas ao Brexit. Mas ela parece estar mais preocupada com as mudanças do Reino Unido na capacidade dos turistas de reivindicar o reembolso da taxa sobre itens de luxo comprados na região. Isso terá um impacto mínimo este ano devido ao baixo fluxo de turistas, mas "espera-se que tenha um impacto mais significativo quando os fluxos de viagens forem retomados e as vendas provavelmente mudarem entre os países". Em suma, acredita-se que alguns turistas farão compras em outros lugares em vez do Reino Unido.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.