Vendas da Hugo Boss se recuperam graças à China e América

A marca de moda alemã, Hugo Boss, anunciou que as vendas do primeiro trimestre cresceram 5%, impulsionadas pelo forte crescimento na China e América, enquanto o lucro operacional aumentou levemente, confirmando as previsões para 2018.


Hugo Boss

Após uma série de alertas sobre lucros devido à queda nas vendas da China e dos Estados Unidos, a Hugo Boss reverteu os esforços para tornar a marca mais exclusiva e expandir a linha feminina, e se concentrou nas roupas masculinas de luxo com um toque moderno.

A empresa também está investindo em uma melhor integração do comércio eletrônico e das lojas, e disse que as vendas online aumentaram 43% no trimestre, graças às melhorias em seu site.

As ações da Boss, que subiram 12% no ano passado, mas ainda são negociadas com desconto para os players de luxo, como Kering e LVMH, subiram 1,9% no pré-mercado.

A Boss reportou vendas de 650 milhões de euros, um pouco abaixo das previsões médias de analistas, de 654 milhões, com um aumento ajustado da moeda de 12% na Ásia - Pacífico, e de 7% nas Américas.

A recuperação do consumo chinês nos últimos 18 meses tem impulsionado o aumento da receita de muitas marcas de luxo, embora o setor ainda enfrente pressões; como um euro forte e tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) antes de itens não recorrentes aumentou para 99 milhões de euros, superando a previsão média de 97 milhões dos analistas, considerando a depreciação das moedas fora da zona euro.

A marca Boss testemunhou um aumento nas vendas de 7%, enquanto a Hugo, destinada a um público mais jovem, teve uma queda de 6%, o que a empresa atribuiu ao fato da Boss estar ganhando o terreno da Hugo, que também está reduzindo sua presença em lojas de outlet.

A venda de roupas masculinas cresceu 6%, enquanto a de roupas femininas caiu 3%. Hugo Boss anunciou em fevereiro o fim de sua colaboração com o designer Jason Wu, que desde 2013 direcionou seus esforços para ampliar as coleções femininas.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2019 All rights reserved.

Luxo - Pronto-a-vestirNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER