×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
18 de dez de 2019
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Unilever reduz previsão de vendas

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
18 de dez de 2019

Até as empresas mais fortes e diversificadas estão a enfrentar dificuldades; A gigante anglo-holandesa de produtos de consumo Unilever reduziu na terça-feira a sua previsão de vendas. A proprietária de marcas como Dove, Hourglass, Lynx, Dermalogica, Toni & Guy e outras não destacou as condições adversas no seu mercado local do Reino Unido, mas apresenta dificuldades noutras geografias.


Unilever/Dove


A empresa indicou ter enfrentado desafios durante o último trimestre em alguns mercados, incluindo a desaceleração económica no sul da Ásia, uma das suas maiores regiões comerciais. Além disso, as condições comerciais na África Ocidental foram complicadas.
 
Parece que o ambiente comercial em mercados desenvolvidos, onde também é forte, continua complicado e a empresa explica que, embora haja sinais precoces de uma melhoria de resultados na América do Norte, a recuperação total demorará tempo.

E o que significa isso em termos de vendas? A empresa espera que o crescimento das vendas subjacente para 2019 se situe "ligeiramente abaixo das suas previsões para a metade inferior de uma faixa de crescimento plurianual entre 3 e 5%".

O que não nos dá muita informação e não sabemos o que significa "ligeiramente abaixo". Também não sabemos quais as áreas dos negócios da empresa que estão a sofrer mais, ou se estão todas a ressentir-se da mesma forma. O grupo abrange uma gama de produtos muito ampla, que inclui alimentos e bebidas, utensílios domésticos e produtos de beleza e de cuidados pessoais. Esta última categoria é a sua maior divisão, pelo que deveremos presumir que estará a sofrer um pouco.

"Devido aos desafios que vivemos em determinados mercados, esperamos uma pequena margem de erro nas nossas vendas anuais subjacentes. Para o ano de 2020, o crescimento será mais forte no segundo semestre. Embora esperemos uma melhoria no primeiro semestre de 2020 em comparação com este último trimestre, também esperamos que o crescimento do primeiro semestre seja inferior a 3%. Acreditamos que o crescimento anual das vendas subjacentes se situará na metade inferior da faixa plurianual. O crescimento continua a ser a nossa principal prioridade e estamos confiantes de que temos a estratégia e o investimento certos para aumentar os nossos resultados”, afirmou o seu CEO, Alan Jope.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.