×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de abr. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Ucrânia: Chanel aplica embargo também aos russos fora da Rússia

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de abr. de 2022

A Chanel está na linha da frente da guerra entre a Ucrânia e a Rússia por invasão ilegal desta última potência que está a deixar um rastro de cinzas e sangue por onde passa. Como a maioria das marcas, a maison de luxo francesa foi uma das primeiras a suspender o comércio na Rússia. Mas agora ela vai mais longe, com a interrupção da venda de produtos a russos, tanto no seu país de origem, quanto no exterior, aplicando rigorosamente as sanções emitidas pela União Europeia e outros países.


Desfile da Chanel para o outono-inverno 2022/2023 - © PixelFormula


Alguns influenciadores russos, que não conseguiram comprar itens da marca em várias lojas, particularmente em Dubai, protestaram e expressaram o seu descontentamento nas redes sociais. Quando contactada pela FashionNetwork.com, a Chanel confirmou o seu posicionamento, explicando que "como empresa internacional, cumpre todas as leis aplicáveis às suas atividades e empregados em todo o mundo, incluindo as leis que impõem sanções econômicas e financeiras".
 
Recordou que "como resultado das várias sanções emitidas pela UE, Reino Unido, EUA e Suíça contra a Rússia e Bielorrússia, a Chanel não está autorizada a realizar transações com certas pessoas singulares e coletivas designadas ou listadas por estes regimes de sanções".

As sanções mais recentes da UE e da Suíça incluem uma proibição de "vender, fornecer, transferir ou exportar, direta ou indiretamente, bens de luxo a qualquer pessoa singular ou coletiva, entidade ou organismo na Rússia ou para utilização na Rússia", disse a empresa francesa, observando que a proibição se aplica a bens de luxo, "cujo valor exceda 300 euros por item".
 
"É por isso que pedimos aos clientes, cuja residência principal não conhecemos, que confirmassem que os artigos que compram não serão utilizados na Rússia", continua. Isto foi uma surpresa para os clientes russos. Como relataram nas redes sociais, alguns influenciadores russos, alguns dos quais são clientes leais da maison e normalmente frequentam os seus desfiles, não puderam finalizar as suas compras, uma vez que os vendedores lhes explicaram que não podiam vender os seus produtos, e uma vez que obviamente os teriam usado ou endossado na Rússia, pois não tinham se comprometido por escrito a não faze-lo.
 
Estes episódios, veiculados na Web, causaram um tumulto entre um dos clientes mais fiéis da marca, forçando a Chanel a realizar um delicado ato de equilíbrio. "Estamos conscientes de que esta abordagem da lei tem sido mal compreendida por alguns dos nossos clientes. Estamos atualmente trabalhando para melhorar esta abordagem e lamentamos o mal-entendido que isto gerou, uma vez que o respeito por todos os nossos clientes, não importa a sua origem, é uma prioridade para a Chanel", disse o grupo.

Agora fica a dúvida se a posição firme da Chanel também será adotada por outras maisons de luxo? Os riscos são elevados em termos econômicos e de imagem.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.