×
892
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Twitter: demissão de Kathy Chen, diretora das atividades na China

Por
Reuters
Publicado em
today 4 de jan de 2017
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Kathy Chen, contratada há apenas oito meses pelo Twitter para dirigir suas atividades na China, foi demitida, segundo um Tweet enviado por ela durante a semana. Twitter está bloqueado na China desde 2009, mas é hoje utilizado através das redes privadas virtuais ou VPN.

Kathy Chen - Twitter/ Kathy Chen


No país, a plataforma de microblogue Sina Weibo e o aplicativo de mensagens WeChat, da Tencent, são as ferramentas mais utilizadas. Mas as organizações chinesas, incluindo a agência de imprensa oficial Xinhua, utilizam o Twitter para se endereçar à sua audiência no exterior.
 
Kathy Chen, que trabalhou em especial para a Microsoft e Cisco, recebeu a missão de atrair um maior número de anúncios chineses no Twitter.

"Agora que a equipe da Ásia-Pacífico do Twitter trabalha diretamente com os anúncios chineses, é o momento para mim de deixar a empresa", descreve ela.
 
Twitter aumentou sua base de anúncios na China à altura de 400% ao longo dos dois últimos anos, acrescentou, fazendo do país o mercado de mais forte crescimento da região Ásia-Pacífico.
 
Entre os principais anunciantes chineses, verificar-se-á o fabricante de telefones celulares Xiaomi, o grupo de comércio on-line Alibaba, o fabricante de bens eletrônicos Qingdao Haier, assim como a Air China.
 
"Seguimos engajados no mercado", acrescentou Kathy Chen, dizendo que o escritório de Hong Kong seguiria aberto.
 
Twitter confirmou esta informação, refutando fornecer mais detalhes dizendo respeito à saída de Kathy Chen.
 
A saída desta última ocorre no momento em que a China fez parte da sua intenção de controlar melhor a Internet.
 
O país acusou em especial as mídias sociais de propagar falsas notícias, bem como o cyber-terrorismo, enviando assim sinais claros às empresas ocidentais que se interessam pelo mercado chinês.
 
"Quando a economia chinesa ia verdadeiramente mal, eles incitaram as empresas tecnológicas a preparar ilusões envolvendo o que elas iam ser autorizadas a fazer no país", segundo Mark Natkin, diretor-geral da consultoria Marbridge Consulting sediada em Pequim.
 
"Há cada vez mais empresas que começam a colocar em questão o valor dos investimentos que ela implementou ali".
 
Twitter, popular mas deficitário, mudou suas atividades publicitárias e de suporte chinesas para sua sede regional em Singapura.
 
Por outro lado, o Twitter iniciou uma importante reestruturação em nível global e anunciou no mês de novembro uma redução de 9% dos seus efetivos a fim de controlar melhor seus custos.
 
Parminder Singh, diretor-geral para a Índia, sudeste da Ásia e Oriente Médio, deixou, por sua vez, a empresa em novembro passado.

© Thomson Reuters 2019 Todos os direitos reservados.