×
Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
12 de mai. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Tod's: vendas superam previsões apesar da desaceleração da China

Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
12 de mai. de 2022

As vendas no grupo de moda italiano Tod's aumentaram 23% no primeiro trimestre, estendendo uma recuperação que começou no ano passado e superando as expectativas do mercado apesar de um abrandamento na China a partir de março.


Asvendas da Tod's superaram as previsões apesar da desaceleração da China - Reuters


As receitas totalizaram 219,6 milhões de euros (231,68 milhões de dólares) no período, impulsionadas pela Europa e Américas, enquanto as receitas na China foram atingidas por uma nova ronda de restrições devido a novos surtos de COVID-19.
 
As vendas trimestrais globais são um toque acima dos níveis de 2019, antes do golpe da pandemia. Os analistas estimavam 212 milhões de euros, de acordo com um consenso citado pela corretora Equita.

"Enquanto esperamos para avaliar melhor o impacto da guerra na Ucrânia e os sinais que chegam da China na frente da doença de COVID-19, continuamos a desenvolver cada marca, fazendo todos os investimentos necessários", disse o diretor executivo Diego della Valle, o maior acionista, em um comunicado.
 
O fabricante de artigos de couro de luxo disse que atualmente cerca de 30% das suas lojas na China estavam fechadas devido a encerramentos e restrições em Xangai e outras cidades. Os meios-fios deverão atingir fortemente a indústria do luxo no segundo trimestre em um mercado chave, e alguns analistas preveem um declínio de 40% nas receitas chinesas.
 
A Tod's, famosa pelos seus mocassins Gommino, lançou uma nova estratégia no final de 2017 para renovar as suas marcas e atrair consumidores mais jovens, mas a crise de saúde dificultou os seus esforços. As vendas do grupo se recuperaram quase 40% no ano passado, marcando o primeiro aumento após cinco anos de declínios consecutivos.

© Thomson Reuters 2022 All rights reserved.