×
Por
Reuters
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de ago. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Tapestry e Estée Lauder sentem aperto de lockdowns na China

Por
Reuters
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de ago. de 2022

A Tapestry Inc. e a Estée Lauder Cos. Inc. anunciaram na quinta-feira (18 de agosto) que preveem lucros anuais abaixo das estimativas, uma vez que foram prejudicadas pelos lockdowns na China devido aos surtos de COVID-19.


Coach - primavera-verão 2022 - Womenswear - Nova York - © PixelFormula


As principais cidades chinesas impuseram múltiplas restrições este ano, na sequência da "dinâmica zero-Covid" de Pequim, deixando as empresas com pilhas de estoque, uma vez que os consumidores cautelosos evitam visitar zonas comerciais.
 
A Tapestry e a Estée Lauder juntam-se a empresas como a Kering (proprietária da Gucci), EssilorLuxottica (fabricante mundial da Ray-Ban), e Ralph Lauren Corp para assinalar um sucesso de vendas na China, um mercado em crescimento chave para as empresas de moda de luxo.

Mais de um terço da receita da Estée Lauder é proveniente da China, enquanto a fabricante de bolsas Coach, Tapestry (originalmente chamada Coach), gera cerca de 20% das suas vendas na região, de acordo com analistas.
 
A Tapestry, que também é proprietária das marcas Kate Spade e Stuart Weitzman, disse que estava começando a observar uma recuperação da procura na China, e prevê que nas vendas de 15% no primeiro trimestre em comparação com uma queda de 32% no quarto trimestre.
 
"O enfraquecimento na China só surgiu realmente por causa dos bloqueios. Quando a região está fora de lockdowns, vemos consumidores regressando", disse a analista da Jane & Hali Associates, Jessica Ramirez.
 
A Tapestry prevê lucros fiscais em 2023 entre 3,80 e 3,90 dólares / euros por ação, inferiores às estimativas de 3,91 dólares / euros, de acordo com dados IBES da Refinitiv. Por sua vez, a Estée Lauder disse esperar que o lucro ajustado por ação aumente entre 5% e 7%, abaixo da visão de Wall Street de um ganho de 10,5%. A sua previsão de crescimento das vendas em 2023 de 3% a 5% foi também inferior às estimativas de um aumento de 7,6%.
 
Ainda assim, ambas as marcas superaram as estimativas de lucro do quarto trimestre com os compradores americanos abastados, em grande parte ainda ignorando a inflação desenfreada, apostando no luxo à medida que retomam a socialização.
 

© Thomson Reuters 2022 Todos os direitos reservados.