×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de mar. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Swarovski alia-se à Climeworks para reduzir as suas emissões de CO2

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
31 de mar. de 2022

A sustentabilidade é o foco do mais recente projeto da Swarovski. Através de um acordo de cinco anos com a especialista suíça Climeworks, anunciado na quarta-feira (30 de março), a marca austríaca de luxo implementará a tecnologia de captação direta de ar da empresa para eliminar as suas emissões acumuladas de dióxido de carbono. A mudança faz parte da estratégia climática da Swarovski para "reduzir, eliminar e compensar" as suas emissões de CO2, uma série de metodologias necessárias para atingir as metas climáticas estabelecidas no Acordo de Paris de 2015 sobre alterações climáticas.


ASwarovski alia-se à Climeworks para reduzir as suas emissões de CO2 - Swarovski x Climeworks


"Em 2021, reforçamos a nossa estratégia de sustentabilidade, concentrando-nos na área chave da mitigação das alterações climáticas. Com a firme convicção de que o conhecimento científico é indispensável para compreender e criar mudança, também nos alinhamos com a iniciativa "Science Based Targets" para reforçar o nosso compromisso", disse o CEO interino da Swarovski, Michele Molon, sobre o objetivo de reduzir as emissões absolutas de âmbito 1 e 2 (emissões diretas e indiretas das próprias operações) em 47% e as emissões de âmbito 3 (emissões indiretas das operações não próprias) em 28% até 2030.
 
Sobre o acordo a que a firma chegou com a empresa fundada por Christoph Gebald e Jan Wurzbacher em 2009, o executivo disse que é mais um passo no percurso da Swarovski para "resolver um dos problemas mais prementes que o nosso planeta enfrenta". Através desta colaboração, a suíça Climekorks, que já trabalha com empresas como a Microsoft e Shopify e bandas de rock como Coldplay, irá eliminar permanentemente o dióxido de carbono emitido para o ar, devolvendo-o à terra ou armazenando-o em segurança. Os detalhes financeiros da parceria não foram divulgados.

Em paralelo, a empresa, especializada na concepção, fabricação e venda de cristal, pedras preciosas e peças diamantadas, está investindo "substancialmente" no desenvolvimento de operações de fabricação "mais eficientes", na redução do consumo de energia em novas lojas, na aquisição de "materiais mais sustentáveis" para produtos, embalagens e arquitetura, e na implementação de "iniciativas de grande escala" para promover um impacto positivo no transporte de mercadorias e outras fases da cadeia de valor.
 
Fundada em 1895, a empresa faz parte do grupo Swarovski, juntamente com as suas empresas irmãs Swarovski Optik (especializada em dispositivos óticos) e fornecedor de sistemas para a indústria da construção Tyrolit. No final do ano passado, os membros da família Swarovski, Robert Buchbauer, CEO do grupo austríaco, e Mathias Margreiter, o seu CFO, anunciaram as suas demissões. Como parte desta reorganização empresarial iniciada há dois anos, Nadja Swarovski, a força motriz por detrás da Swarovski Foundation em 2013 e membro do conselho de administração, deixou a empresa em 31 de dezembro. Na semana passada, a empresa colocou a sua prima, Marisa Schiestl-Swarovski, à frente da presidência da sua fundação.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.