×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de out. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Shiseido busca novas aquisições na Europa e Estados Unidos

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de out. de 2021

No primeiro semestre de 2021, 30% das vendas do grupo de cosméticos japonês Shiseido foram geradas pela China, o seu maior mercado. Após ter assustado o mundo inteiro durante as primeiras semanas da pandemia de coronavírus, o consumo chinês está novamente sólido, impulsionado pela sua dinâmica classe média. Assim, em 2021, o mercado chinês da cosmética deverá atingir os 34,6 bilhões de euros e registrar um crescimento médio anual de 12,3% para se estabelecer dentro de três anos em 49 bilhões de euros. Além de um mercado local de rápido crescimento, Masahiko Uotani, CEO da Shiseido, também espera que os turistas chineses voltem ao Japão no próximo verão.


A Shiseido procura aquisições na Europa e nos Estados Unidos


Mas, embora a China atraia mais do que nunca os grandes nomes da beleza, a crise do coronavírus também sublinhou que ser dependente deste mercado pode ser sinônimo de perigo. Assim, nas colunas do jornal Financial Times, o líder da Shiseido indica estar considerando a aquisição de marcas de cuidados com a pele em outros mercados, principalmente na Europa e nos Estados Unidos. O grupo está igualmente avaliando opções na Índia e na África.
 
Masahiko Uotani explicou ao Financial Times: “Acreditamos que o potencial a longo prazo é extremamente elevado na China e vamos aproveitar esta oportunidade com firmeza. Mas, à medida que a nossa dependência aumenta, haverá questionamentos sobre contingências e gestão de portfólio, por isso queremos fortalecer ainda mais os nossos esforços nos Estados Unidos e na Europa."

Esta estratégia de diversificação surge numa altura em que a Shiseido, após os resultados de 2020 serem fortemente afetados pela crise da saúde, se reestruturou significativamente nos últimos meses com a ambição de se concentrar no segmento de cuidados da pele.
 
Em fevereiro, a gigante japonesa assinou um acordo para vender o seu negócio de produtos de higiene e beleza ao fundo de investimento CVC, através de uma transferência de ativos por 160 bilhões de ienes (1,3 bilhão de euros). No final de agosto, as marcas Buxom, BareMinerals e Laura Merciei foram vendidas pela empresa japonesa à Al Beauty Holding Limited, uma estrutura formada pela empresa Advent International, por 700 milhões de dólares. 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.