×
Por
AFP-Relaxnews
Publicado em
12 de mar de 2015
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Semana de Moda de Paris: "As grandes maisons não perdem a majestade"

Por
AFP-Relaxnews
Publicado em
12 de mar de 2015

Relaxnews – A Semana de Moda de Paris chegou ao seu término e Sophie de Champsavin, jornalista do Paris Modes TV, nos deixa suas impressões sobre os desfiles que trouxeram novidades e surpresas.

Louis Vuitton - outono-inverno 2016 - Womenswear - Paris - © PixelFormula


Quais foram as principais tendências observadas?

Em Paris, a semana representou abundância e criatividade, uma vontade de renovação e frescor. Deixaram-nos ver maneiras bem diferentes de vestir para mulheres multifacetadas.

Tivemos o direito de ver de antemão a femme fatale, que é confiante e ousa com a minissaia. É mais que sensual, mostra o peito, é forte e segura. Uma tendência observada em Anthony Vaccarello, marca na qual a mulher usa roupas curtas cortadas em ângulos; na Saint Laurent com suas meias-arrastão e seus vestidos assimétricos, deixando até um seio à mostra; na Jacquemus, mesmo vestida em tamanhos grandes, descobre seu corpo, e na Bailmain e na Mugler nas quais os decotes são super profundos.

A mulher também está mais romântica e sábia, com saias midi, golas altas, babados e transparência discreta. Tendência encontrada nas marcas Carven, Rochas, Chloé e Nina Ricci.  

Por fim, a mulher é urbana, ativa e dinâmica. Os tecidos e as formas priorizam o conforto. O terninho ganha uma nova dimensão nas marcas Cédric Charlier, Stella McCartney e Acne Studios.

Cada maison se caracteriza e se identifica pelo trabalho e pela pesquisa com tecidos criando efeitos inéditos. Uma modernidade mirando no futuro para os estilistas que buscam a experimentação ao quebrar as regras. Raf Simons para a Dior, Nicolas Ghesquière para a Vuitton, Phoebe Philo para a Céline, Rick Owens, Yoshiyuki Miyamae para a Yssey Miyake e Karl Lagerfeld para a Chanel.

Qual o estilo que fez mais burburinho?

A empolgação estava concentrada em volta das grandes estreias que marcaram a temporada. As maisons se renovam e apostam em novos diretores de criação, como a Carven, Nina Ricci, Hermès, Margiela e Guy Laroche.

O burburinho simpático: a chegada dos atores Bem Stiller e Owen Wilson no final do desfile da Valentino no papel de seus personagens de Zoolander 2.

As manequins que mais brilharam?

As que estiveram mais presentes nas quatro semanas de moda são: Jamie Bochert, Mica Arganaraz, Jospéhine Le Tutour e Antonia Petkovic. Fizeram grandes espetáculos e desfilaram alguns quilômetros nas passarelas.

As mestiças Lineisy Montero com seus cabelos bem curtos e Aya Jons com seu rosto fino de boneca também fizeram o coração bater mais forte.

Também podemos falar das morenas disfarçadas. A questão precisa ser feita: Kim Kardashian tinha mesmo que ter pintado os cabelos de loiro?

Atenção no look 33 da Sonia Rykiel, trata-se de Lottie Moss, a irmã mais nova de Kate...será que fará carreira como a irmã?

De todos os desfiles, qual foi o que mais a seduziu?

As grandes maisons não perdem a majestade, quebram as regras, fazem sonhar, transportam-nos e nos fazem viajar. Trabalho que devemos a Alber Elbaz na Lavin, a Riccardo Tisci na Givenchy, a Raf Simons na Christian Dior, a Hedi Slimane na Saint Laurent a Nicolas Ghesquière na Louis Vuitton.

Além disso, ambientes e encenações incríveis puderam ser vistos na Kenzo com suas paredes em movimento, na brasserie Gabrielle da Chanel, nas cúpulas da Vuitton, na passarela com efeitos de luz da Saint Laurent.

Copyright © 2021 AFP-Relaxnews. All rights reserved.