×
892
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Semana da moda masculina de Paris promete calendário interessante

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
today 21 de mai de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

A semana da moda de Paris assume, mais do que nunca, o seu papel de líder. Para a próxima sessão estival, o evento anuncia um calendário alargado com nada menos que 60 desfiles, contra 56 em janeiro, que apresentarão as coleções para a primavera-verão 2020 durante seis dias completos, de 18 a 23 de junho.
 

A Y/Project, aqui com um look da primavera 2019, volta a desfilar em Paris após uma passagem por Florença em janeiro - © PixelFormula


Todos esperavam que a coleção masculina Givenchy voltasse ao calendário parisiense com um verdadeiro espetáculo. No entanto, será preciso esperar até janeiro do próximo ano, uma vez que a marca decidiu relançar a sua moda masculina em grande em Florença, com um desfile durante o salão Pitti Uomo, a 12 de junho.
 
Ainda assim, o programa parisiense não perde densidade, contando nomeadamente com o retorno à sua passarela da Palomo Spain, que abrirá o baile na terça-feira, 18, às 11h. A marca do espanhol Adolfo Gomez Palomo tinha desfilado em Nova Iorque na temporada passada.

A Y/Project, que, por seu lado, desfilou no Pitti Uomo, retorna a Paris no dia seguinte, quarta-feira,19, enquanto a Lanvin subirá à passarela no domingo, 23 de junho. Em janeiro, a maison se encontrava num impasse após a saída de Lucas Ossendrijver, que desenhava as coleções do prêt-à-porter masculino da marca há 14 anos. A Celine fechará a semana com um desfile dominical, às 20h.
 
A Fashion Week masculina de junho também vai receber quatro novos interessantes nomes do panorama da moda criativa: Bode, Phipps, Ludovic de Saint Sernin e Sies Marjan. Logo após o primeiro desfile da Palomo Spain, Bode e Phipps revelarão a sua coleção no dia de abertura, estreando oficialmente no programa dos desfiles parisienses. Estas duas novas marcas americanas estão entre as oito finalistas do Prêmio LVMH deste ano, cujo vencedor será escolhido em junho.

O californiano nascido em San Francisco Spencer Phipps, que se formou na escola de moda nova-iorquina Parsons, lançou a Phipps, a sua marca unissexo, em Paris, em janeiro de 2018, com uma abordagem sustentável. O ex-estilista de moda masculina de Dries Van Noten, que também trabalhou para Marc Jacobs, ambiciona criar belas roupas respeitando o meio ambiente.

A Bode é também uma linha de moda masculina, lançada em 2016 pela criadora nova-iorquina Emily Adams Bode, que utiliza tecidos antigos para criar roupas de patchwork únicas, liberando sutilmente o sabor nostálgico do passado.
 
Uma terceira marca americana chega a Paris nesta temporada. Sies Marjan, que apresentará na capital francesa o seu primeiro desfile exclusivamente masculino, agendado para sábado, 22 de junho. A jovem marca, lançada em 2016 por Sander Lak, ex-Dries Van Noten, já alcançou um grande sucesso com o seu prêt-à-porter feminino, que desfila em Nova Iorque.
 

A Sies Marjan vai desvendar a sua coleção masculina em Paris, em junho - © PixelFormula


Por fim, aqueles que ainda não o conhecem, terão que esperar por domingo, 23, para descobrir Ludovic de Saint Sernin. Também finalista do Prêmio LVMH, mas em 2018, ganhou no mesmo ano o prêmio de marca criativa entregue pelo Andam. O que significa que o jovem criador de 28 anos já está construindo uma certa reputação.
 
Nascido em Bruxelas, cresceu no continente africano e mora em Paris desde os 7 anos, vive agora entre a capital francesa e Londres. Formado em design de moda pela École Duperré, passou pela Saint Laurent antes de integrar o estúdio de criação de prêt-à-porter feminino da Balmain sob a direção de Olivier Rousteing e de lançar a sua própria linha de menswear em 2017, propondo um guarda-roupa sensual com um sutil equilíbrio entre elegância e erotismo, que acima de tudo celebra o corpo masculino.

Na agenda das apresentações oficiais, merece ainda destaque a chegada das marcas japonesas Auralee e Visvim, da marca Casablanca, do criador franco-marroquino Charaf Tajer, do coletivo francês Gamut e da Lazoschmidl, fundada em 2014 pela dupla sueco-alemã Josef Lazo e Andreas Schmidl, que desfila em off em Paris em janeiro. Sem esquecer a marca Nanushka, da húngara Sandra Sandor, e Rhude, a marca street fundada em 2013 em Los Angeles pelo jovem designer Rhuigi Villasenor, originário das Filipinas.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.