×
Publicado em
27 de set. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Semana da Moda de Paris inicia com a moda desenfreada de Weinsanto e Maitrepierre

Publicado em
27 de set. de 2022

Após o término da semana da moda milanesa e um parada em Londres para o desfile da Burberry, a maratona de moda continua em Paris. Na noite de abertura, na segunda-feira (26), a criatividade foi solta com os desfiles desenfreados de Victor Weinsanto e Alphonse Maîtrepierre, dois novos nomes promissores, que revisitam livremente os códigos da alta-costura.


Weisanto


Coincidentemente, ambos foram apadrinhados por Jean Paul Gaultier com quem estudaram, e certos elementos do "terrível filho da moda" puderam ser percebidos implicitamente nas duas coleções. Como o espartilho, assinatura de Weinsanto, que ele reformulou em minivestidos bustiê de algodão ou cetim, amarrados na frente e nas costas. Também notamos alguns acessórios comuns a ambas as coleções, como glamourosas luvas em tule transparente.
 
Com seu senso de palco, Victor Weinsanto preparou nas dependências do 35-37, o centro criativo do Dover Street Market, um verdadeiro evento, recebendo em seu pódio amigos estilistas e performers do mundo LGTB e das noites parisienses. As drag queens Paloma e "La Grande Dame", em ternos cor camelo abertos e desabotoados, participaram, assim como a artista e estilista australiana Michaela Stark, quase completamente nua sob um fino véu transparente, o corpo amarrado com uma longa trança. A sedutora Allanah Star, ex-líder da revisão, apareceu em um roupão cor da pele.
  
Os amigos estilistas também vieram como reforços. Vestido de preto, com um livro na mão e uma enorme escultura de metal suspensa acima da cabeça, por meio de fios de ferro amarrados ao peito, Charles de Vilmorin, o jovem diretor criativo da Rochas, não passou despercebido. Assim como Florentin Glémarec e Kévin Nompeix, a dupla à frente da marca Egonlab, de mãos dadas, um com uma malha dentro de uma perna da calça e o outro de macacão branco forrado com botões de pressão, além de Vincent Pressiat, outro jovem prodígio da moda parisiense.

O clima foi festivo com personagens coloridos, desde uma ninfomaníaca com seios desnudos e saia com fenda até o alto da coxa, até silhuetas barrocas em vestidos com cestos de outrora, revistos em versão assimétrica com a gaiola de vime semi-descoberta. A este extravagante guarda-roupa não faltaram acessórios de grandes dimensões, como algumas bolsas rígidas oblongas ou triangulares como um guarda-chuva, e chapéus enormes feitos de várias dezenas de metros de tule que se erguem como um leque acima da cabeça.
 

Maitrepierre


Encontramos esse mesmo desejo de se divertir com Alphonse Maitrepierre, mas com um toque adicional de poesia. Para a primavera-verão 2023, o jovem designer inspirou-se no conto de "Peau d’âne" (Pele de Asno) e o famoso filme de Jacques Demy, mas novamente de forma indireta, com um cavalo recriado em um tecido florido, usado como capa ou xale sobre um macacão justo com o mesmo padrão. A boca do cavalo também foi vista em forma de bolsas.
 
O vestido "couleur temps" do famoso conto se transformou em um lindo conjunto de calça azul celeste revelando o abdômen, e o vestido "couleur du soleil", ficou longo e esvoaçante em seda dourada. O modelo do vestido mágico com seu decote balconnet brilhou em um espírito mais moderno e quase esportivo. Ultra curto, quase um top.
 
O estilista alternou roupas esportivas justas e outras muito estruturadas, criando novos volumes, principalmente por meio de jaquetas curtas largas ou remodeladas e levemente acinturadas. Ele também deslizou a roupa nos ombros - às vezes apenas com as alças caídas, para recriar a silhueta de "Peau d’âne" cobrindo-se com seu casaco. "Sempre parto de arquivos antigos para recriar algo contemporâneo. Aqui, quis reescrever a história do meu jeito", disse o estilista nos bastidores.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.