×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
9 de jun de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Semana da Alta-Costura de Paris terá oito desfiles ao vivo em julho

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
9 de jun de 2021

A Semana da Alta-Costura de Paris contará com oito desfiles ao vivo na sua próxima temporada, em julho, o maior número registrado em uma importante fashion week desde que a pandemia provocou um confinamento mundial no ano passado.


O desfile da Balenciaga será provavelmente o mais aguardado da temporada - Fotografia: Balenciaga - primavera-verão 2021 - Moda Feminina- Paris - © PixelFormula


A temporada, que será realizada de segunda, 5 de julho, a quinta, 8 de julho, contará com 34 coleções outono-inverno 2021/2022 de 33 marcas. Entre estas, Christian Dior, Azzaro Couture, Chanel (com dois desfiles), Giorgio Armani Privé, Balenciaga, Jean Paul Gaultier, Zuhair Murad e Vaishali S apresentarão desfiles diante de convidados, por ordem cronológica, de acordo com o calendário oficial publicado pela Fédération de la Haute Couture et de la Mode (FHCM), órgão regulador da moda francesa, que controla o calendário das seis temporadas anuais de desfiles de Paris.
 
Com exceção da Valentino, que desfilará em Veneza, estarão presentes todas as maisons tradicionais da alta-costura e as independentes mais importantes, como Iris Van Herpen, Giambattista Valli, Stephane Rolland, Alexandre Vauthier, Viktor & Rolf, Raul Mishra, Julie de Libran, Fendi Couture e Maison Margiela. Estas e outras 16  irão divulgar vídeos digitais das suas coleções, disponíveis nos seus próprios sites, nas redes sociais e na plataforma da FHCM. A maioria fará igualmente apresentações físicas com agendamento prévio, nas quais as coleções serão usadas por modelos da casa.


Pyer Moss - primavera-verão 2020 - Moda Feminina - Nova York - © PixelFormula


A temporada de quatro dias terminará na noite de quinta-feira, às 20h, com a Pyer Moss Couture, do brilhante designer nova-iorquino Kerby Jean-Raymond, marcando a primeira vez que um criador negro desfila no calendário oficial da alta-costura parisiense, o nível mais sofisticado da moda e a sua máxima expressão de habilidade artesanal e savoir-faire.
 
Após um segundo confinamento, a França começou a reabrir as lojas e esplanadas dos restaurantes em 19 de maio. A partir de quarta-feira, 9 de junho, os clientes voltaram a poder acessar o interior de cafés e restaurantes, enquanto o toque de recolher foi ampliado das 21h para as 23h, num cuidadoso desconfinamento.
 
A atenção também será intensa na véspera da temporada, a noite de domingo, 4 de julho, quando o braço direito de Raf Simons, Pieter Mulier, apresentará a sua coleção para a Azzedine Alaïa.

No entanto, o desfile mais esperado da temporada será provavelmente o da Balenciaga, que marcará o regresso da lendária marca às passarelas da alta-costura após mais de meio século, desde que o seu fundador, Cristóbal Balenciaga, fechou a empresa na sequência dos protestos estudantis em 1968, que ocuparam o centro de Paris durante vários meses. O atual e aclamado diretor criativo da marca, Demna Gvasalia, planeja apresentar as suas primeiras ideias de alta-costura na sede histórica da empresa, localizada no número 10 da avenida George V, no dia 7 de julho.
 

Vaishali S - primavera-verão 2019 - Fotografia: Vaishali S


A temporada testemunhará também a estreia adiada de uma coleção única e muito esperada para a Jean Paul Gaultier a cargo da designer japonesa Chitose Abe, da Sacai, a primeira de uma série de designers convidados que criaram coleções exclusivas para a marca, com uma nova direção após a saída de Gaultier em janeiro de 2020.
 
Os olhares estarão igualmente voltados para dois recém-chegados, o jovem francês Charles de Vilmorin, recentemente nomeado designer da Rochas, e a criadora indiana Vaishali S.
 
A Chanel organizará dois desfiles, com uma apresentação dupla no Palais Galliera, o museu da moda que atualmente acolhe uma admirável exposição retrospetiva sobre a sua fundadora, Gabrielle "Coco" Chanel.

A maioria das marcas presentes não são francesas, o que demonstra o poder de atração internacional da alta-costura parisiense. No total, 12 delas foram fundadas por franceses nascidos na França; outras seis têm sede em Paris e foram lançadas por criadores não franceses; enquanto as 15 restantes são de criadores com sede fora da França, sobretudo na Itália.

Entre estes destaca-se Giorgio Armani. Depois de se tornar o primeiro designer a cancelar um desfile em Milão devido à Covid-19 em fevereiro do ano passado, Armani, de 86 anos, lidera o retorno às passarelas. O criador apresentará dois desfiles de moda masculina na Milano Moda Uomo, em junho, e, de seguida, um desfile de gala de alta-costura às 19h de terça-feira, 6 de julho, na Embaixada de Itália na rue de Varenne.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.