Semana da Moda Masculina de Londres: nostálgica mas nem tanto

Nesta última temporada masculina de Londres, foi possível testemunhar uma análise estilística da história britânica sob a sombra do Brexit e a ascensão da extrema direita, bem como o surgimento de uma grande nova série de jovens designers, onde a arquitetura foi o fio condutor.


Ver o desfile
Charles Jeffrey Loverboy - Primavera-Verão 2020 - Moda Masculina - Londres. - © PixelFormula

No fim de semana, um evento dramático foi manchete de jornais: o ataque brutal de um casal de lésbicas em um ônibus de Londres. Em um momento em que o nacionalismo está aumentando em muitos países, assim como os ataques contra a comunidade LGBT, a resposta do mundo da moda foi questionar a iconografia oficial do império britânico.

O desfile mais esperado da temporada foi o de Charles Jeffrey Loverboy, realizado na Biblioteca Britânica, na Euston Road, cuja foco foi o uniforme militar feminino. O exército não é um mundo estranho para Charles Jeffrey, visto que seu pai é um oficial em um regimento britânico. Este, inclusive, veio especialmente de Dubai para assistir ao desfile de seu filho. "Acho que todos fomos forçados a pensar em política. Desde o Brexit, e quando e como este vai terminar, à ascensão do nacionalismo", comentou Charles Jeffrey nos bastidores de seu desfile.
 

Ver o desfile
Edward Crutchley - Primavera-Verão 2020 - Moda Masculina - Londres. - © PixelFormula

No sábado, Edward Crutchley propôs sua visão da década de 80 no Reino Unido, “uma época em que ainda não era cool ser britânico. Seu desfile evocou a Grã-Bretanha de Margaret Thatcher, mas mais uma vez subverteu a idéia com um elenco multi-étnico de modelos.

Na John Lawrence Sullivan, o designer Arashi Yanagawa fez referência ao synthpop e ao punk rock, usou tecidos de fibra sintética e adicionou acabamentos de correntes em todas as suas roupas com pegada rocker. Até mesmo a incrível performance musical do desfile teve um toque sombrio de nostalgia: sob uma ponte ferroviária do século 19, o grupo Dicepeople, uma banda de dark electro,  provocou aplausos do público.

Na segunda-feira, a arquitetura social foi o tema principal do desfile magnífico da A-Cold-Wall, cujo fundador e diretor artístico, Samuel Ross, ganhou o BFC / GQ Designer Menswear Fund, apoiado por JD com, Inc., o gigante chinês do varejo.
 

Ver o desfile
A-Cold-Wall - Primavera-Verão 2020 - Moda Masculina - Londres. - © PixelFormula

Dylan Jones e Caroline Rush, do British Fashion Council (BFC), apresentaram o prêmio na famosa casa noturna londrina Annabel's. Craig Green, E. Tautz e Christopher Shannon são alguns dos vencedores anteriores. O prêmio deste ano foi 150.000 libras e 12 meses de mentoria de alto nível. Samuel Ross derrotou os concorrentes Cottweiller, Edward Crutchley, Liam Hodges e Grace Wales Bonner.

O impressionante desfile de Samuel Ross apresentou roupas esportivas cor de cimento, dignas de um prédio de Tadao Ando, ​​casacos sublimes e roupas técnicas militares feitas no mesmo material que seu convite, uma estranha máscara de Sienna queimada que vários convidados usaram no desfile.

Durante um café da manhã do BFC no domingo de manhã na Truman Brewery, algumas novas marcas britânicas promissoras também foram apresentadas, como Papermen, que oferece uma variedade de camisas e coletes de algodão com as costas listradas, camisas com cortes perfeitos 100% algodão, e coletes impermeáveis ​​com bolsos assimétricos; e Roker, uma marca de calçados "não-binários" de Sunderland - nomeada em homenagem ao estádio de futebol local - cujas plataformas e saltos unissex marcaram presença nos desfiles da Loverboy, Art School e Richard Malone. 

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirModa - AcessóriosModa - CalçadosLuxo - Pronto-a-vestirLuxo - AcessóriosLuxo - CalçadosDesfiles
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER