×
938
Fashion Jobs
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral

São Paulo Fashion Week termina com morte e sem luto

Por
EFE
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 30 de abr de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

“Acabou de morrer uma pessoa e você está aqui como se a vida não valesse nada", gritou um artista vestido de dourado na passarela durante a noite de sábado, em meio ao desfile de encerramento da 47ª edição da São Paulo Fashion Week, o maior evento do setor da moda no Brasil.


Tales Cotta, o modelo que sofreu um mal súbito durante a São Paulo Fashion Week. - EFE


O cantor dirigiu estas palavras ao público durante o desfile da marca Cavarela para criticar a decisão da organização de continuar o evento após a morte de um modelo de 26 anos, que sofreu um "mal súbito”, após desfilar algumas horas antes.

Tales Cotta, um modelo da agência Base MGE, sofreu um desmaio e ficou deitado na passarela, diante de um público atordoado, enquanto desfilava roupas da marca Ocksa. O jovem recebeu atendimento médico na passarela e foi levado para um hospital mas não resistiu e morreu.

Embora a organização do evento tenha tido algumas dúvidas, ela decidiu manter a programação e os dois desfiles restantes foram realizados, das marcas Ponto Firme e Cavalera. Durante este último, vários artistas subiram na passarela para animar o desfile com suas músicas, exceto um deles, que decidiu mudar a apresentação programada para fazer um apelo contra o que estava acontecendo naquele momento.

"Você não deveria estar aqui, não deveríamos estar aqui", ele gritou apontando para o público, acrescentando que "morreu uma pessoa e você está aqui como se a vida não valesse nada", para segundos depois abandonar a passarela, ao contrário dos demais artistas, que permaneceram sentados em um sofá enquanto o desfile acontecia.

Os desfiles

Cavalera, a marca de Alberto Hiar, foi responsável por encerrar esta 47ª edição da São Paulo Fashion Week com uma coleção intitulada “De volta às raízes”, que inundou o espaço com cores néon e uma ousada mistura de estampas. Animal print de vaca, xadrez escocês e art déco de motivos dourados foram combinados em uma série que celebrava o retorno da marca ao evento. O moletom oversized nas cores rosa, verde e azul neon e um casaco de vison marrom, preto e rosa-claro fizeram a diferença entre os looks urbanos.

Antes da Cavalera, a Ponto Firme, cujas peças são confeccionadas por presidiários em prol de sua reintegração, foi a penúltima a se apresentar. Depois de pedir um minuto de silêncio em homenagem a Tales Cotta, a marca Gustavo Silvestre realizou um desfile que se tornou um manifesto de reivindicação.

Em apenas sete minutos, a empresa colocou na passarela a luta pelos direitos dos presidiários e o racismo institucional no Brasil através das palavras que ecoavam substituindo a trilha sonora habitual, cartazes levantados pelos próprios modelos, e até mesmo um rap entoado por um deles.

Um jovem apareceu na passarela vestido com uma roupa da marca e usou um microfone para falar frases como: "Parem de nos matar que vamos conquistar o resto", em uma referência velada aos crimes contra os negros no Brasil. 

Mais de 30 peças feitas quase inteiramente em crochê com cores vivas como rosa e amarelo e algumas peças marcantes com fio brilhante foram apresentadas pela marca, bem como peças em fios grossos formando grandes aberturas, misturando cores, com exceção de um vestido longo em uma variedade de tons de terra e toques de ouro que fez a diferença.

Todos os looks apresentados por Silvestre foram desenhados e confeccionados por 21 presidiários da cadeia Desembargador Adriano Marrey de Guarulhos, município de São Paulo, e quatro outros ex-internos, que continuaram trabalhando para a marca após serem soltos.

Anderson Costa Figueredo, integrante do projeto desde a sua criação em 2015, quando cumpria dois anos e meio de prisão por tráfico de drogas, criticou a falta de apoio à iniciativa. "O projeto tem um nome, que é Ponto Firme, e coloquei um ponto final à vida que eu levava e isso marcou o início da nova vida que eu levo hoje", disse Costa em entrevista à Efe, criticando que a empresa não obtém mais patrocínio do que o do próprio Gustavo Silvestre.

© EFE 2019. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.