×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
28 de abr. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Saint Laurent: vendas saltam 37% em base comparável no primeiro trimestre

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
28 de abr. de 2022

Há alguns dias, a Saint Laurent apresentou o primeiro lançamento do seu podcast, batizado Saint-Laurent Smoking. O projeto marca um encontro entre a artista Catherine Deneuve e a jornalista Pascale Clark no contexto da boutique Saint Laurent Rive Droite, no número 213 da rue Saint Honoré, em Paris, que recebe regularmente iniciativas criativas e exposições. Outros episódios darão a palavra a Charlotte Gainsbourg, Gaspar Noé, Laetitia Casta e Félix Maritaud.
 
Uma iniciativa que visa fortalecer o vínculo entre a marca e os seus clientes franceses. Abordagens locais que a marca também implementou em suas lojas de Miami, durante a Art Basel, e na 469 Rodeo Drive, em Los Angeles.


Campanha verão 2022 com Al Pacino - Saint Laurent


O vínculo com os seus clientes locais é um dos pontos fortes da marca, conduzida por Anthony Vaccarello no estilo e Francesca Bellettini na direção-geral, cujo desempenho contribuiu para os resultados do grupo Kering durante o último trimestre.
 
"A Saint Laurent teve um trimestre impressionante com crescimento comparável de 37%, impulsionado por aumentos espetaculares nos mercados ocidentais, onde o seu desempenho é forjado por um forte apetite dos clientes locais por produtos icônicos", explicou durante a apresentação dos resultados do primeiro trimestre Jean-Marc Duplaix, diretor financeiro do grupo, que viu as suas vendas globais aumentarem 21% numa base comparável para 4,96 bilhões de euros. "A Saint Laurent é historicamente forte com clientes locais e não é muito dependente dos fluxos turísticos, e ter esses fortes vínculos com clientes locais em todos os principais mercados tem sido um trunfo."

E enquanto a Gucci, a locomotiva do grupo, dececpionou os mercados financeiros habituados ao seu desempenho brilhante nos últimos anos, a Saint Laurent continuou com a sua boa forma. É claro que, ainda que os confinamentos na China a afetem, a maison está menos exposta ao encerramento de grande parte do mercado chinês, que tem um impacto muito forte na Gucci.
 
Com 739 milhões de volume de negócios, a Saint Laurent viu as suas vendas diretas aumentarem 49% em relação ao primeiro trimestre de 2021, duplicando as vendas na Europa Ocidental e +77% na América do Norte, passando agora a representar 72% do total da sua atividade. As suas vendas por atacado aumentaram 10% e as receitas das suas licenças 40%.


Distribuição por região do volume de negócios da Saint Laurent no primeiro trimestre de 2022 - Kering


"As vendas cresceram na faixa de dois dígitos na América do Norte e na Europa Ocidental, mas também com aumentos confortáveis na Ásia-Pacífico e Japão”, explica o diretor financeiro, acrescentando que “o crescimento abrangeu todas as categorias de produtos e as vendas do vestuário progrediram a alta velocidade no período” e que o aumento se deu em termos comparáveis. “O crescimento é um equilíbrio entre desenvolvimento de metros quadrados, tráfego e aumento de preços. Vamos na direção certa, introduzimos peças de roupas a um preço justo, mas também aumentamos o preço médio de venda no segmento das bolsas, e é uma ambição estratégica contar com oferta em todo o espectro de preços.”
 
“Cumprimos com o plano que foi apresentado em 2017 para a Saint Laurent. A cada ano alcançamos um crescimento de pelo menos 20%. É uma progressão que se constrói tijolo a tijolo, com uma estratégia clara em termos de merchandising, oferta e distribuição cada vez mais exclusivos. A marca era muito forte no segmento de artigos de couro, mas está acelerando em outras categorias, principalmente no vestuário, onde a Saint Laurent é uma das referências do mercado, com uma oferta muito direcionada e clara. E a racionalização da distribuição que realizamos na Gucci também está sendo implementada na Saint Laurent.”
 
A marca, que estava com uma taxa de abertura de 20 a 30 lojas ou corners por ano, vai desacelerar as aberturas este ano, em um momento em que conta com 268 pontos de venda operados diretamente no mundo. O trabalho deverá, portanto, centrar-se no reforço da sua oferta. A tendência da marca deverá permitir-lhe controlar o seu crescimento. Após regressar no primeiro trimestre de 2021 a níveis superiores ao registrados pré-Covid, no final do primeiro trimestre de 2022 a marca alcançou 240 milhões de euros a mais no volume de negócios do que no primeiro trimestre de 2019.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.