×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
31 de jan de 2020
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Safilo: atacado e Ásia-Pacífico impulsionam vendas de 2019 para 939 milhões de euros

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
31 de jan de 2020

O canal de atacado e a região da Ásia-Pacífico impulsionaram as vendas da Safilo em 2019 para 939 milhões de euros. O crescimento no período, encerrado em 31 de dezembro, foi de +3,1% à taxa de câmbio atual (+ 0,9% à taxa de câmbio constante), ante 910,7 milhões de euros em 2018.


@carrera


Os resultados serão aprovados pelo conselho de administração da empresa em 11 de março e excluirão o negócio de varejo, liderado pela cadeia americana Solstice, vendida no final de 2019 para a empresa de óculos USA Fairway.

A região da APAC foi o grande motor de crescimento, com + 23,1% à taxa de câmbio atual (+19,2% à taxa de câmbio constante), para 78 milhões de euros, respondendo por 8,3% do faturamento consolidado. A Europa, onde o grupo realiza quase metade de seus negócios, perdeu terreno (-0,7%) e registrou queda de dois dígitos (-11,2% à taxa de câmbio constante) no quarto trimestre.

A receita de atacado cresceu em linha com as expectativas da Safilo para o ano todo: +5,2% à taxa de câmbio atual (+2,8% à taxa de câmbio constante). Na UE, o crescimento foi de + 3,2%, na América do Norte foi de +0,6%, e na Ásia +19,2% à taxa de câmbio constante.

A maior contribuição para o canal derivou das marcas proprietárias (Carrera, Polaroid e Smith), que cresceram 5,7% no geral (à taxa de câmbio constante) e dos resultados positivos das licenças. Foram excluídos os números relacionados ao acordo com a Kering para a licença da Gucci, renovada em outubro do passado até o final de 2023.

No último trimestre do ano, as vendas líquidas da Safilo totalizaram 230,4 milhões de euros, uma queda de 2,8% à taxa de câmbio atual (-4,3% à taxa de câmbio constante), “principalmente devido à desaceleração dos negócios na Europa relacionados ao acordo com a Kering”, explicou a marca em comunicado. 

No final do ano passado, a empresa anunciou um plano de reestruturação de "lágrimas e sangue" para lidar com o fim das licenças da LVMH (Dior, Fendi e Givenchy), que têm um impacto estimado de cerca de 200 milhões de euros. O plano prevê 700 demissões (cerca de 1 em cada 4 funcionários na Itália) entre as regiões de Friuli e Veneto, e uma maior concentração de recursos financeiros no desenvolvimento de estratégias digitais e fusões e aquisições.

Os sindicatos dos trabalhadores italianos estão em pé de guerra após a reunião realizada em 28 de janeiro com a administração da empresa, que confirmou as escolhas anunciadas. O confronto continuará com uma nova rodada marcada para a próxima quarta-feira, 5 de fevereiro.

     

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.