×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de mar de 2018
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Roberto Cavalli fecha 2017 em declínio, mas há uma luz no fim do túnel

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
23 de mar de 2018

Roberto Cavalli está no caminho de uma recuperação. Após dois anos de forte queda e um 2017 ainda em declínio, a marca italiana de luxo, que pertence ao fundo Clessidra, prevê para 2018 uma retomada do crescimento. Apesar da empresa ter registrado há pouco tempo uma queda acentuada de seu faturamento, de 25 milhões de euros por ano, a Roberto Cavalli se estabilizou no ano passado com 152,4 milhões de euros, em comparação com 155,2 milhões no ano anterior, uma queda de 1,8%.


A última coleção de Roberto Cavalli teve um aumento de 15% no número de pedidos - © PixelFormula


Suas vendas diretas (excluindo as licenças) de varejo e atacado aumentaram 3% em 2017, para 110,3 milhões de euros, apesar de uma redução na sua rede de vendas, e de uma grande racionalização do canal de atacado, além do fechamento de seis lojas próprias. Por outro lado, os royalties relacionados às licenças diminuíram. A posição financeira líquida atingiu 1,2 milhões de euros.

Seu maior mercado continua sendo a Europa, que representa quase 48% das vendas totais, seguida pelos Estados Unidos (31%). Na verdade, é na Ásia, que representa apenas 7% de seu faturamento, que a empresa está direcionando seus esforços, principalmente com a abertura de lojas. Foram inauguradas duas em 2017 e mais três em 2018, na China e em Macau.

Son premier marché reste l'Europe avec près de 48 % des ventes totales, suivie par les Etats-Unis (31 %). C’est de fait vers l'Asie, ne représentant encore que 7 % de son chiffre d’affaires, que la société tourne ses efforts, à travers notamment des ouvertures de boutiques. Deux en 2017 et trois autres en 2018 en Chine et à Macao, qui concentrent pour l'instant les uniques ouvertures de nouveaux magasins de la marque.

"Estamos muito orgulhosos destes resultados. Superar as expectativas durante uma fase de reestruturação e dentro de um mercado de crescimento lento é muito bom. Este resultado confirma que o nosso plano é sólido, assim como a direção criativa e gerencial que tomamos”, declarou Gian Giacomo Ferraris, que está no comando da Roberto Cavalli desde julho de 2016, em um comunicado.

Um sinal dessa recuperação é a melhora significativa no EBIDTA, cujas perdas foram reduzidas de 26,2 milhões de euros, em 2016, para 7,1 milhões de euros, no ano passado. Neste contexto, a marca espera voltar à rentabilidade operacional este ano, especialmente porque as encomendas da última coleção assinada por Paul Surridge sugerem uma certa recuperação.

A campanha da coleção feminina de prêt-à-porter Outono / Inverno 2018-19, apresentada em Milão em fevereiro, já registrou um aumento de 15% nas encomendas dos varejistas no mundo todo, disse Gian Giacomo Ferraris, que também celebrou o retorno de uma clientela muito seletiva, entre varejistas multimarcas e lojas de departamento como Bergdorf Goodman e Joyce.

Além de reestruturar a empresa, o que resultou em várias demissões na Toscana e na redução da rede de distribuição, (a partir de 31 de dezembro de 2017, a Roberto Cavalli passou a operar em 87 lojas monomarcas, sendo 46 de gestão direta e 41 franquias), a marca também reorganizou sua oferta e produção. A empresa assumiu internamente, a partir da primavera - verão de 2018, a produção e a distribuição das coleções de moda íntima, moda praia e esportiva, bem como a linha masculina, que até o ano passado era licenciada pelo Onward Luxury Group (anteriormente Gibò).

Alguns dos novos looks masculinos já foram exibidos junto com a coleção feminina nas passarelas de Milão em fevereiro. Agora, a linha masculina será relançada com um grande evento no salão de moda masculina Pitti Uomo. Paul Surridge apresentará a coleção masculina completa, aproveitando que Roberto Cavalli será o convidado especial da próxima edição do evento, que será realizado em junho, em Florença.

Após a conclusão da fase 1 do plano de relançamento, centrada na implementação de um "desenvolvimento sustentável", a marca quer acelerar a transição para a fase 2, com foco na "criação de valor", como explica Gian Giacomo Ferraris, que quer fortalecer ainda mais o posicionamento da Roberto Cavalli como uma marca de lifestyle. Recentemente foram assinados acordos para o desenvolvimento de projetos residenciais de luxo em Dubai e Arábia Saudita com as marcas Roberto Cavalli e Just Cavalli.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.