Richemont diz que protestos franceses afetaram as vendas na Europa

O grupo proprietário da Cartier, Richemont, disse na sexta-feira (11) que os protestos na França afetaram seu ritmo de vendas nos últimos três meses de 2018.



As vendas mais baixas da Richemont foram derivadas das preocupações de que o apetite chinês por itens mais caros poderá diminuir à medida que a economia desacelerar, e os investidores ficaram preocupados depois que a Apple alertou que suas vendas de iPhone no país foram fracas. O crescimento das exportações de relógios suíços, o melhor indicador disponível para a demanda no setor, desacelerou nos últimos meses.

A empresa suíça Richemont, a segunda maior de artigos de luxo do mundo, registrou um aumento de 5% nas vendas em moeda constante no período de outubro a dezembro, terceiro trimestre de seu ano fiscal, excluindo os recém-adquiridos distribuidores online Yoox Net-A-Porter e Watchfinder, uma plataforma que vende artigos de segunda mão. Isso marcou uma leve desaceleração em relação ao crescimento de 8% nos seis meses até o final de setembro, apesar de ter ficado em linha com as estimativas dos analistas.

"As vendas cresceram em todas as regiões, com exceção do Oriente Médio e da Europa", informou a Richemont, que é também proprietária da joalheria Van Cleef & Arpels, da marca de relógios IWC, e da marca de moda Chloe, em um comunicado na sexta-feira.

A empresa acrescentou que os protestos contra o governo na França, que eclodiram como uma repercussão quanto aos altos custos de vida, atingindo o centro de Paris no período que antecedeu o Natal, "impactaram negativamente o turismo e levaram ao fechamento das lojas por seis sábados consecutivos”. Empresas francesas revelaram nesta semana que sofreram perdas de 60 milhões de euros devido às manifestações violentas contra o governo.

A Richemont é a primeira grande empresa do setor a fornecer um vislumbre das tendências de negociação nos últimos três meses de 2018. A proprietária da Louis Vuitton, a LVMH, reportou os resultados em 29 de janeiro.

A Richemont disse que as vendas ainda estão progredindo em um ritmo saudável na China continental, e citou um crescimento de "dois dígitos", sem dar mais detalhes. As receitas cresceram 10% na Ásia-Pacífico como um todo. Mas, a empresa acrescentou que o crescimento das vendas diminuiu em Hong Kong, o maior mercado de relógios do mundo.

As quedas no yuan no ano passado pressionaram o poder de compra dos consumidores chineses nos mercados internacionais, mesmo com mais esbanjamento de artigos de luxo em casa, encorajados por medidas governamentais como cortes de tarifas de importação destinados a aumentar os gastos domésticos. Os consumidores chineses respondem por mais de um terço das vendas da indústria de luxo como um todo.

Incluindo a YNAP e a Watchfinder, as vendas da Richemont aumentaram 24% em moeda constante, em linha com as previsões médias de analistas compiladas pela Inquiry Financial para a Reuters.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2019 All rights reserved.

Luxo - DiversosNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER