×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
7 de jun. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Richemont concentra-se no desenvolvimento sustentável

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
7 de jun. de 2022

A Richemont está reafirmando o seu compromisso com a responsabilidade ambiental. O grupo de luxo suíço, proprietário da joalheria Cartier e da maison de moda Chloé, entre outras, detalha os seus progressos nesta área por ocasião da publicação do seu relatório anual sobre sustentabilidade, na sequência de duas nomeações chave no início do ano.


A Chloé é a primeira maison de moda a obter a certificação B Corp - © PixelFormula


Pela primeira vez, a empresa tem um responsável pela sustentabilidade, confiando o cargo, criado em fevereiro, a Bérangère Ruchat. Ao mesmo tempo, nomeou Jasmine Whitbread para presidir ao comitê para a governança  e sustentabilidade. Este último tinha entrado para o conselho de administração da Richemont em 2021 como diretor não executivo.
 
"Temos continuado a acelerar os nossos esforços de sustentabilidade ao longo de 2021/2022, atingindo os nossos objetivos a curto, médio e longo prazo. Com a chegada de Bérangère Ruchat e Jasmine Whitbread, estamos reforçando-te o nosso enfoque na sustentabilidade e a lançando as bases para alcançar um progresso ambiental e social de classe mundial nas nossas operações e cadeias de abastecimento", comenta o CFO, Burkhart Grund, numa declaração.

Em termos de impacto ambiental, o colosso suíço, que terminou o seu ano fiscal de 2021/2022 com um lucro líquido de 2 bilhões de euros (+61%) e um volume de negócios de 19,181 bilhões de euros (+44%), confirma no seu relatório os seus ambiciosos objetivos. Em particular, quer poder utilizar 100% de eletricidade renovável em todos os seus sites até 2025. De momento, a taxa de conversão atingiu 92%. Diz também que está "no bom caminho para eliminar o policloreto de vinilo (PVC) dos seus produtos e embalagens até dezembro de 2022".
 
A empresa informa também que doou um total de 42 milhões de euros para projetos de benefício social nas áreas da saúde, desenvolvimento social e econômico, educação e bem-estar de mulheres e crianças. Isto representa um compromisso financeiro que é 17% superior ao do ano anterior e 40% superior ao longo dos cinco anos.
 
Finalmente, a Richemont publicou os resultados da sua primeira avaliação de impacto social do produto (PSIA) sobre a extração artesanal de ouro em pequena escala. Isto tem-lhe permitido avaliar operadores específicos e medir o seu desempenho individual em termos de direitos sociais e humanos, salienta a empresa. O objetivo é atingir 100% de igualdade salarial até 2024.
 
Estes avanços ecológicos foram particularmente visíveis através da transformação da Chloé, que fez uma curva de 360 graus desde o verão de 2020, comprometendo-se com um processo de produção eco responsável liderado pela diretora artística Gabriela Hearst. De facto, como o grupo salienta, Chloé foi a primeira maison de moda a obter a certificação B Corp em outubro de 2021, uma das mais exigentes em termos de impacto social e ambiental das marcas.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.