×
1 087
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Analista de CRM ii – Venda Direta (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Analista fp&a i - Gestão de Verbas Comerciais
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Coordenador(a) de Compras de Eventos
Efetivo · São José dos Pinhais
RENNER
Product Owner (po) - Omnichannel
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Product Manager (Ecommerce Experience) - Farfetch Platform Solutions
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Especialista ii Treinamento Comercial Venda Direta - Franschising
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Compradora de Projetos Júnior - Híbrida - PR
Efetivo · São José dos Pinhais
MARISOL
Analista de CRM - São Paulo
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Gerente sr Comercial Lojas Boti (Nordeste)
Efetivo · Brasília
RENNER
Content & Performance Manager
Efetivo · São Paulo
VIVARA
Analista de Compliance Senior
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM
Efetivo · Jaraguá do Sul
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace – Onboarding de Sellers
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace - Atendimento e Pós-Vendas
Efetivo · São Paulo
RENNER
Coordenador de CRM
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Consultor(a) de Vendas - o Boticário (Boulevard Shopping)
Efetivo · Brasília
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Atendimento (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · Curitiba
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Atendimento (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · Curitiba
GRUPO LUNELLI
Inspetor(a) de Qualidade - Externo
Efetivo · Guaramirim
VIVARA
Vendedora –Shopping Cidade São Paulo – São Paulo/ sp
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de Sistemas - E-Commerce
Efetivo · Jaraguá do Sul
CAEDU
Operador de Loja
Efetivo · Campinas
Publicado em
17 de out. de 2016
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Reino Unido, país onde o luxo é mais acessível, segundo a Deloitte

Publicado em
17 de out. de 2016

O Reino Unido é agora o país onde os artigos de luxo são mais baratos, segundo uma análise feita pela consultoria Deloitte, que mostra, por outro lado, importantes diferenças de preços entre os diferentes mercados em todo o mundo.

Louis Vuitton - Primavera-Verão 2017 - Paris - © PixelFormula


A consultoria analisou os preços de diversos artigos de luxo e chegou à conclusão que, em razão da queda do curso da libra esterlina em relação ao dólar, esses eram mais baratos no Reino Unido.
 
Esta pesquisa, solicitada pelo Wall Street Journal, se baseou numa amostra de artigos de luxo, dentre os quais a bolsa Louis Vuitton Speedy 30 que, sexta-feira retrasada, custava o equivalente a 802 dólares em Londres, contra 850 dólares em Paris, 970 dólares em Nova York e 1.115 dólares na China.

Por outro lado, um suéter de caxemira Brunello Cucinelli custava o equivalente a 808 dólares em Londres, contra 940 em Paris, 995 dólares em Nova York e 1.287 dólares na China. Uma bolsa elefante da Loewe custava 311 dólares em Londres, 330 dólares em Paris, 380 em Nova York e 434 dólares na China.
 
O Wall Street Journal explica que essas diferenças de preço provocaram uma alta das compras no Reino Unido. O jornal cita em especial números da empresa de restituição de impostos Global Blue, que mostram que as despesas por visitante aumentaram 36% no Reino Unido no mês de agosto, contra uma queda de 20% na França e mais de 11% na Itália.
 
A Deloitte, por sua vez, acrescentou que as marcas de luxo provavelmente ajustarão seus preços para levar em conta flutuações das taxas de câmbio. A rapidez desses ajustes segue, no entanto, incerta. Nick Pope, diretor na Deloitte, declarou ao Fashion Network: "As marcas de luxo com frequência são prudentes no momento de ajustar seus preços de maneira 'reativa', pois essas decisões podem ter um efeito negativo sobre a percepção da marca por parte dos consumidores".
 
"Se ao longo dos 6 a 12 próximos meses, o curso atual da libra seguir semelhante (e, portanto, se as margens continuarem a sofrer), eu espero que mais marcas reajam com ajustes de preços".
 
No momento em que isso significa um aumento dos preços para os compradores locais, mais da metade das vendas das lojas de luxo são realizadas graças aos turistas, principalmente chineses. O organismo Visit Britain apontou assim que as reservas de viagem para o próximo outono a partir da China estão exibindo alta de 24%.
 
Com tais disparidades de preços, muitos viajantes chineses compram artigos de luxo no exterior para revendê-los em seu país. Mesmo que as marcas, como Chanel, Burberry ou ainda Louis Vuitton, tenham ajustado seus preços na China para torná-los mais atrativos, as diferenças de preços seguem elevadas e a variação dos cursos de câmbio pode facilmente desfazer os esforços realizados pelas marcas para harmonizar os preços.
 
Nick Pope acrescentou: "As diferenças de preço entre diferentes mercados internacionais sempre existiram no luxo, em especial em razão dos diferentes custos de exploração em diversos mercados e da necessidade de manter as margens nos países onde os custos são mais elevados. No entanto, a impressão no setor é que poderia haver mais pressão por parte da China para repatriar uma parte da demanda que, até hoje, se dirigiu em grande parte para o exterior. Assim, é possível que, com o tempo, assistamos a uma arbitragem que diminuirá essas diferenças de preços, no entanto, nossa ferramenta de pricing para o setor do luxo, que se interessa a cada semana por mais de 100.000 artigos diferentes, mostra que esta diferença é a mais importante do que nunca registrada".
 
Esta temporada, o mais recente estudo da L2 sobre o luxo na China, mostrou que os clientes chineses pagam 37% mais caro que os consumidores dos outros países para os produtos Burberry e 25% mais para os produtos Louis Vuitton. 23% das marcas de luxo puro (em oposição às marcas de luxo acessível) no índice da L2 aplicam uma alta de preço de 16 a 25% em seus produtos vendidos na China.
 
A L2 também determinou que as marcas de luxo acessível estão ainda mais reticentes em relação à queda dos preços (algumas aumentam seus preços em 35% na China), pois são habituadas a compensar a fraqueza das suas margens nos Estados Unidos e na Europa. Aliás, algumas dessas marcas, como Calvin Klein, se posicionaram como marcas de luxo puro na China e, por consequência, determinam seus preços.

Copyright © 2023 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.