×
Por
Agencia Brasil
Publicado em
3 de out. de 2016
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Reino Unido inicia saída da UE em março de 2017, diz primeira-ministra

Por
Agencia Brasil
Publicado em
3 de out. de 2016

A primeira-ministra britânica, Theresa May, prometeu dar início ao processo formal para deixar a União Europeia (UE) até março de 2017. "Vamos invocar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa antes do final de março do próximo ano", disse May durante conferência anual do Partido Conservador, em Birmingham. As informações são da Agência Ansa.

Primeira-ministra britânica, Theresa May, em discurso durante a conferência anual do Partido Conservador, em Birmingham, Reino Unido. - Foto: Reprodução


O Artigo 50 do tratado europeu regula os passos que um país deve dar para sair da UE. Após acioná-lo, o Reino Unido terá um período de dois anos para fechar os acordos mais complexos da Europa desde a Segunda Guerra Mundial.
"É importante não só para o Reino Unido, mas também para toda a Europa que possamos fazê-lo [sair da UE] da melhor maneira possível, causando a menor perturbação possível", disse May.

Brexit
Em junho, os britânicos foram às urnas para votar se gostariam ou não de deixar a União Europeia, no que ficou conhecido como o Brexit – união das palavras Britain (Grã-Bretanha) e exit (saída, em inglês). Em uma decisão inesperada, a maioria optou pelo "sim".

Defensor da permanência na UE, o então premier David Cameron renunciou ao cargo, alegando ser incapaz de conduzir o país nesta nova fase, e May assumiu com a função de coordenar a saída do bloco.

"O Parlamento colocou a decisão para deixar ou permanecer dentro da UE nas mãos do povo. E o povo respondeu com clareza enfática", comentou May.
O Reino Unido é uma das maiores economias da União Europeia, além de possuir armas nucleares e um assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas. O país também é defensor do livre mercado e um aliado político e militar dos Estados Unidos.

Além das consequências internas para os britânicos, o Brexit abre um precedente dentro da UE e aumenta a pressão nacionalista no bloco, que já sofre pelo baixo crescimento econômico dos últimos anos, pelo alto índice de desemprego e pela crise migratória.

Copyright © 2021 Agência Brasil. Todos os direitos reservados.

Tags :
Outros
Negócios