×
89
Fashion Jobs
CAMICADO
Product Owner - E-Commerce - Aplicativo App Mobile - Camicado
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Product Owner - Operações de E-Commerce - Site/ App - Camicado
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Product Owner - E-Commerce - Site - Camicado
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Product Owner - E-Commerce - Omnichannel - Camicado
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Cidade de São Paulo
Efetivo - CLT · São Paulo
VIVARA
Aprendiz Comercial - Center Shopping Uberlândia
Efetivo - CLT · Uberlândia
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Del Rey
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
VIVARA
Aprendiz Comercial - Shopping Uberaba
Efetivo - CLT · Uberaba
AMARO
Compliance Analyst
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
AMARO
Gerente de Guide Shop - Campinas (Iguatemi)
Efetivo - CLT · Campinas
AMARO
Category Planning Analyst
Efetivo - CLT · São Paulo
AMARO
Banco de Talentos - Comunidade Negra
Efetivo - CLT · São Paulo
AMARO
Android Developer
Efetivo - CLT · São Paulo
AMARO
Banco de Talentos - Comunidade Lgbtqi+
Efetivo - CLT · São Paulo
AMARO
Banco de Talentos - Mulheres em Tecnologia
Efetivo - CLT · São Paulo
AMARO
Ios Mobile Developer
Efetivo - CLT · São Paulo
YOUCOM
Gerente de Loja Especializada Youcom
Efetivo - CLT · São Leopoldo
YOUCOM
Consultor de Vendas - Youcom
Efetivo - CLT · Ponta Grossa
YOUCOM
Consultor de Vendas - Youcom
Efetivo - CLT · Blumenau
YOUCOM
Consultor de Vendas Senior Youcom
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Analista de E-Commerce - B2B Camicado
Efetivo - CLT · São Paulo
CAMICADO
Analista ux / ui - Ecommerce - Site - Camicado
Efetivo - CLT · São Paulo

Reformation e Refinery29 respondem à acusações de racismo

Publicado em
9 de jun de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Com o chamado "novo movimento de direitos civis" varrendo os Estados Unidos, funcionários negros e outros funcionários de cor estão denunciando empregadores por permitir que os ambientes de trabalho racistas prosperem.


"I've failed." (Falhei.), um post da Reformation no Instagram - Instagram @reformation


Reformation

A preferida das it-girls, que já havia sido acusada de propagar gordofobia, agora foi acusada por uma ex-funcionária de ter possibilitado uma ampla cultura de racismo. Num post do Instagram, a ex-funcionária Elle Santiago, que é negra, afirmou que lhe foi repetidamente recusada uma promoção e que a empresa continua se recusando a promover funcionários de cor, que assumem responsabilidades equivalentes a cargos mais altos, entre outras.

"Até hoje, você tem funcionários de cor que exercem atividades sem receber os respectivos títulos", escreveu Santiago.

Elle Santiago também acusou, especificamente, a fundadora da Reformation, Yael Aflalo. "Quando conheci Yael, fiquei muito entusiasmada por me apresentar como assistant manager de sua  flagship. Mas ela me olhou de cima a baixo com desprezo e foi embora. Sua mentalidade é o motivo pelo qual a mesa de liderança da Ref [Reforma] é do jeito que é e sempre tratou negros e pessoas de cor da forma que trata".

Santiago disse que, ao deixar o cargo em dezembro de 2016 e contar sua experiência como "chefe da sede [da Reformation]", nada foi feito em resposta à sua experiência.


YaelAflalo publicou um pedido de desculpas no Instagram - Instagram @diet_prada


Depois de Elle Santiago ter sido compartilhado esta experiência, o perfil da Diet Prada replicou um pedido de desculpas publicado por Yael Aflalo através do Instagram da Reformation.

"Eu falhei", diz a declaração. "Parte da sustentabilidade é tratar as pessoas da mesma forma. Percebo que falhei com todos vocês a esse respeito - especialmente a comunidade negra. Infelizmente, a forma como praticamos a diversidade no passado tem sido através de um 'olhar branco' que se aproxima demasiado da ignorância... Estou muito brava comigo mesma por não ter visto isso antes".

Yael Aflalo confessou que "não era uma líder muito boa" e que as suas ações "não eram sobre a cor da sua pele", mas um resultado de suas "deficiências como pessoa". Yael Aflalo afirmou também que a empresa está fazendo uma investigação independente para analisar as preocupações no local de trabalho. Além disso, ela também vai lançar um "Conselho de Diversidade e Inclusão", em um esforço para melhorar a sua cultura empresarial.

A própria Aflalo disse que fará uma doação de 500.000 dólares dividida entre o Legal Defense and Educational fund da NAACP, o Thurgood Marshall College Fund e o National Black Child Development Institute.


"Black activists to follow" - Instagram @refinery29


Refinery29

Por sua vez, na segunda-feira (8), a co-fundadora e editora-chefe da Refinery29, Christene Barberich, anunciou a sua saída da empresa, à medida que surgiram alegações de uma cultura tóxica na empresa.

No Twitter, a empresa foi acusada de não pagar salários justos a funcionários negros, não colocar mulheres negras em altos cargos de liderança, bem como de negligenciar o tratamento das micro-agressões dirigidas a funcionários negros da administração.

Na sequência, vários ex-jornalistas da Refinary29 compartilharam suas experiências negativas, incluindo Andrea González-Ramírez, que afirmou ter recebido 15.000 dólares a menos que dois funcionários brancos com o mesmo cargo.

González-Ramírez disse ainda que outras mulheres de cor da empresa experimentaram ser tone-policed, vendo outras receberem créditos por seu trabalho, ou seja, confundidas com outra mulher de cor da empresa, mal remuneradas, entre outras questões.

No seu anúncio de demissão, Barberich disse ter lido e levado em conta os relatos pessoais de mulheres negras, entre outras mulheres de cor, sobre as suas experiências dentro da Refinery29.

"Vou me afastar do meu cargo na R29 [Refinery29] para ajudar a diversificar nossa liderança editorial e garantir que esta marca e as pessoas que ela toca possam desencadear um novo capítulo".


Cartaz da Refinery29 de 2019 - Refinery29


A Refinery29 também publicou uma declaração sobre o assunto no Instagram: "Somos, e sempre fomos, uma empresa e uma marca que procura se responsabilizar por elevar vozes sub-representadas. Estamos todos prontos para fazer um trabalho para construir novos caminhos para a mudança".

Nos comentários, essa declaração foi amplamente criticada. "O que é essa 'declaração?'", disse Phoebe Robinson, comediante e co-criadora de 2 Dope Queens. "Apenas uma 'salada de palavras'. Que bom que parei de fazer coisas com vocês há anos".

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.