×
1 081
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Analista fp&a i - Gestão de Verbas Comerciais
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Coordenador(a) de Compras de Eventos
Efetivo · São José dos Pinhais
RENNER
Product Owner (po) - Omnichannel
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Product Manager (Ecommerce Experience) - Farfetch Platform Solutions
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Especialista ii Treinamento Comercial Venda Direta - Franschising
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Compradora de Projetos Júnior - Híbrida - PR
Efetivo · São José dos Pinhais
MARISOL
Analista de CRM - São Paulo
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Gerente sr Comercial Lojas Boti (Nordeste)
Efetivo · Brasília
RENNER
Content & Performance Manager
Efetivo · São Paulo
VIVARA
Analista de Compliance Senior
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM
Efetivo · Jaraguá do Sul
VIVARA
Analista de CRM sr
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace – Onboarding de Sellers
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace - Atendimento e Pós-Vendas
Efetivo · São Paulo
PUMA
Retail District Manager
Efetivo · São Paulo
RENNER
Coordenador de CRM
Efetivo · São Paulo
CALZEDONIA GROUP
Vendedora - Calzedonia
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Tecnico de Qualidade
Efetivo · São José dos Pinhais
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Consultora de Vendas o Boticario - Nova Iguaçu - rj
Efetivo · Nova Iguaçu
GRUPO BOTICARIO
Especialista l - Analytics e bi (Afirmativa Para Talentos Diversos)
Efetivo · Curitiba
AVON
Gerente de Desenvolvimento da Rede Itinerante
Efetivo · SÃO PAULO
VIVARA
Vendedora - Shopping São Bernardo Plaza - São Bernardo do Campo /sp
Efetivo · São Bernardo do Campo
Por
Reuters
Publicado em
10 de jan. de 2017
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Ralph Lauren se engaja na luta contra o desmatamento

Por
Reuters
Publicado em
10 de jan. de 2017

Em pleno período de reestruturação, o grupo Ralph Lauren coloca em destaque um projeto eco-responsável. Este projeto busca identificar a origem da pasta de madeira utilizada para a fabricação das suas roupas, a fim de evitar a compra dos produtos que contribuam para a destruição de florestas ou para a violação dos direitos humanos.

Ralph Lauren - Primavera-Verão - Womenswear - Nova York - © PixelFormula


A alta do curso do algodão apoiou a demanda pelos tecidos fabricados a partir de madeira, como a viscose, o rayon e o modal. Essas produções têm, segundo a Rainforest Action Network (RAN), um impacto sobre o desmatamento e a espoliação das terras dos povos autóctones.
 
A campanha "Out of Fashion" da RAN, que visa a tornar público o impacto dos tecidos vindos da atividade florestal, convidou as principais grifes americanas a adotar um sistema de abastecimento mais rigoroso e sustentável.

A Ralph Lauren assim se comprometeu a controlar a sua cadeia logística para determinar se utiliza produtos que são provenientes das regiões de risco e encontrar fontes alternativas daqui para o fim de 2017.
 
O grupo apontou que a empresa publicaria as suas novas diretrizes de abastecimento no âmbito de uma iniciativa mais ampla cujo objetivo é garantir que as suas matérias-primas não estejam ligadas a violações dos direitos humanos e que sejam ecologicamente sustentáveis.
 
"Esta nova política da Ralph Lauren envia um sinal aos produtores de países como a Indonésia, onde a produção de pasta para os tecidos devastou as comunidades autóctones e aquelas que dependem da floresta", explicou Brihannala Morgan, responsável pelas florestas na RAN, em um comunicado.
 
Segundo a ONG, a produção de pasta de madeira pode levar ao desmatamento, em especial para o estabelecimento de plantações de eucaliptos, assim como ao confisco de terras tradicionalmente utilizadas pelas comunidades indígenas. A Indonésia é um dos principais produtores de pasta de madeira e o principal produtor mundial de óleo de palma, duas atividades que colocam em perigo as florestas virgens do sudeste asiático.
 
A Global Forest Watch estima que na Indonésia, 18,5 milhões de hectares de florestas foram destruídos de 2001 a 2014. Brihannala Morgan, por sua vez, deixou patente a sua satisfação por constatar que as grifes de moda estão começando a sentirem-se responsáveis por suas cadeias logísticas.
 
H&M, Zara, ASOS, Levi Strauss, assim como a criadora britânica Stella McCartney, já adotaram políticas responsáveis sobre essas questões, segundo a RAN. Assim, no ano passado, a Stella McCartney se associou à ONG Canopy para encorajar as empresas de vestuário a cessar a compra dos tecidos que contribuem para o desmatamento das florestas virgens. A associação quer alcançar hoje outros grandes nomes da moda nos Estados Unidos.

© Thomson Reuters 2023 Todos os direitos reservados.