×
1 050
Fashion Jobs
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Coordenador(a) de Compras de Eventos
Efetivo · São José dos Pinhais
RENNER
Product Owner (po) - Omnichannel
Efetivo · São Paulo
FARFETCH
Product Manager (Ecommerce Experience) - Farfetch Platform Solutions
Efetivo · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Especialista ii Treinamento Comercial Venda Direta - Franschising
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Pessoa Compradora de Projetos Júnior - Híbrida - PR
Efetivo · São José dos Pinhais
MARISOL
Analista de CRM - São Paulo
Efetivo · São Paulo
GRUPO BOTICARIO
Gerente sr Comercial Lojas Boti (Nordeste)
Efetivo · Brasília
RENNER
Content & Performance Manager
Efetivo · São Paulo
VIVARA
Analista de Compliance Senior
Efetivo · São Paulo
MARISOL
Analista de CRM
Efetivo · Jaraguá do Sul
VIVARA
Analista de CRM sr
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace – Onboarding de Sellers
Efetivo · São Paulo
RENNER
Product Owner (po) | Marketplace - Atendimento e Pós-Vendas
Efetivo · São Paulo
PUMA
Retail District Manager
Efetivo · São Paulo
RENNER
Coordenador de CRM
Efetivo · São Paulo
RENNER
Pcd
Efetivo · Florianópolis
L'OREAL GROUP
Loa - br - Operações - Analista de Supply Planning Sênior- Divisão de Cosmética Ativa
Efetivo · Rio de Janeiro
L'OREAL GROUP
Propagandista - l'Oréal Cosmética Ativa - Porto Alegre/rs
Efetivo · Porto Alegre
L'OREAL GROUP
Analista de Categoria (Hair) - l'Oréal Grande Público
Efetivo · Rio de Janeiro
VIVARA
Aprendiz – River Shopping - Petrolina/pe
Efetivo · Petrolina
VIVARA
Estoquista - Teresina Shopping - Teresina/pi
Efetivo · Teresina
CAEDU
Operador de Loja
Efetivo · Carapicuíba
Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de out. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Ralph Lauren pede desculpas após acusações de plágio de estampas indígenas mexicanas

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
25 de out. de 2022

Acusada pela esposa do presidente mexicano de ter plagiado estampas indígenas para a confecção de uma das suas peças, a gigante da moda norte-americana Ralph Lauren mostrou-se surpresa com o fato do produto em questão ainda estar sendo comercializado e disse estar "profundamente arrependida".


Fotografia difundida pela esposa do presidente mexicano com a sua mensagem acusatória contra a Ralph Lauren - Instagram


A empresa reagiu à AFP na sexta-feira, alegando ter procurado proibir a sua comercialização após descobrir a sua existência há vários meses: "Estamos surpresos por descobrir que este produto está à venda. Estamos realizando uma auditoria urgente para determinar como este artigo foi parar a uma área de vendas (...) e para garantir que seja removido imediatamente.” A empresa acrescentou ainda: "Lamentamos profundamente que isso tenha acontecido e, como sempre, estamos abertos ao diálogo sobre como podemos melhorar."
 
Beatriz Gutiérrez, presidente de uma comissão mexicana para assuntos culturais e casada com o presidente Andrés Manuel López Obrador, interpelou a Ralph Lauren na quinta-feira (20) na sua conta do Instagram. "Escute Ralph, já percebemos que gosta muito dos padrões mexicanos (...). No entanto, quando copia esses desenhos, incorre em plágio e, como sabe, o plágio é ilegal e imoral."

Beatriz Gutiérrez, que é historiadora, acompanhou a sua mensagem com uma imagem de um casaco colorido onde se lia claramente "Ralph Lauren". A peça, presente em vários sites como um "cardigan às riscas com cinto", custa em média 300 dólares, segundo a AFP. Beatriz Gutierrez acrescentou: “Espero que repare os danos às comunidades originais que fazem este trabalho com amor e sem fins lucrativos milionários.”

Os padrões usados nas peças da marca americana correspondem, segundo Gutiérrez, a desenhos das comunidades de Contla (centro do México) e Saltillo (norte). A lei mexicana de direitos autorais estipula que todas as obras consideradas como populares ou artesanais devem ser respeitadas e exige uma menção clara da comunidade indígena da qual são originárias em caso de uso comercial.
 
Em 2021, o México já havia denunciado empresas de moda como a chinesa Shein, a espanhola Inditex e as americanas Anthropologie e Patowl por usarem padrões mexicanos nas suas roupas.
 
Em 2020, o México também apresentou uma queixa contra a criadora de moda francesa Isabel Marant, que mais tarde pediu desculpas ao governo e a uma comunidade indígena em Michoacan (oeste).
 
Em 2019, o Ministério da Cultura indicou que a empresa de Carolina Herrera, criadora venezuelana radicada nos Estados Unidos, havia reproduzido bordados coloridos da comunidade de Tenango (centro).
 
O México conta com 56 etnias, o que lhe confere uma grande riqueza em termos de artesanato, especialmente têxteis e bordados.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.