×
Publicado em
13 de abr de 2017
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Puma: François-Henri Pinault deixa o conselho de administração

Publicado em
13 de abr de 2017

Há um futuro para a Puma? Esta quarta-feira, François-Henri Pinault não faz oficialmente mais parte do conselho de administração da marca do felino. Uma saída que não deixará de apresentar de novo a questão da saída da etiqueta desportiva do portfólio da Kering. Este dia 12 de abril, a decisão da Puma foi tomada durante a assembleia geral anual da fabricante alemã de artigos desportivos, em sua sede de Herzogenaurach.

François-Henri Pinault - Jean-Etienne Portail/Puma


A eleição da totalidade do conselho de administração da Puma figurava, de fato, na ordem do dia. O nome de François-Henri Pinault, para quem a aquisição da Puma em 2007 foi o primeiro ato forte na direção do grupo criado por seu pai, não aparecia, portanto, na lista oferecida que conta com seis membros contra nove anteriormente.
 
"Seis membros, dos quais dois representantes do pessoal, são suficientes para uma direção flexível e efetiva da empresa e para evitar um inútil e laborioso processo de tomada de decisão. Os seis últimos anos mostraram que um conselho de administração mais restrito corresponde mais ao tamanho da empresa, explicou Jean-François Palus. Não nos esqueçamos também que um conselho de administração menor permite reduzir os custos".

Todd Hymel, CEO da Volcom, deixa também seu assento dentro do board, depois de ter entrado aí em 2012. Uma informação confirmada pela marca ao FashionNetwork. Jean-François Palus, pilar do grupo Kering, era, por outro lado, tido para ser reconduzido como presidente do conselho de administração da Puma.
 
Há vários anos, a questão da venda da Puma pelo grupo Kering retorna regularmente, um rumor insistente alimentado pela imprensa e pelos analistas financeiros. O CEO da Kering ainda desmentiu sua intenção de ceder a isso. Em uma entrevista dada ao Financial Times em junho passado, François-Henri Pinault entregava que não havia "a intenção de vender a Puma em curto prazo". Isso não o impediria de preparar uma saída em mais longo prazo. Segundo algumas fontes, o CEO da Kering, mantendo-se mediático, desejaria também recuar na área operacional.
 
O grupo Kering se focaliza agora claramente em suas casas de costura (Gucci, Saint Laurent, Balenciaga...) e apresenta-se, aliás, hoje em seu site como "um grupo mundial de luxo", uma vez que a atividade Sport & Lifestyle se encontra relegada ao fim do parágrafo. Em 2015, François-Henri Pinault evocava ainda no relatório anual do grupo que a Kering era "um dos primeiríssimos grupos mundiais de luxo e desportivo". Um escorregão semântico significativo.
 
A atividade da Puma se inscreve em uma fase ascendente: a marca revelou neste 12 de abril um sólido primeiro trimestre de 2017, seu volume de negócios saltou 18% no período para mil milhões de euros. A fabricante de artigos desportivos destacou até mesmo suas previsões financeiras para o ano de 2017, contando com um avanço de mais de 10% das suas vendas no exercício.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.