×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de out. de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Puma aumenta previsões apesar das tensões relacionadas ao abastecimento

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de out. de 2021

A Puma anunciou na na quarta-feira (27 de outubro) que aumentou as suas previsões de receitas e lucros para 2021 e informou que o bloqueio sanitário no Vietnam, o congestionamento dos portos e a escassez de contentores estão afetando a sua cadeia de abastecimento.


Segundo o grupo todas as suas categorias de produtos registaram um crescimento de dois dígitos - Puma


A marca alemã de artigos esportivos espera agora que as suas vendas aumentem pelo menos 25% este ano, em comparação com uma previsão anterior de +20%. Ela também revisou para cima sua previsão de lucros de exploração para 2021, que devem ficar entre os 450 e 500 milhões de euros, em comparação com os 400-500 milhões anteriores.

No terceiro trimestre, o volume de negócios da Puma aumentou 20,4% a taxas de câmbio constantes (+35,4% em comparação com 2019), para 1,9  bilhão de euros, e o lucro líquido saltou para 229 milhões de euros, números que foram superiores às estimativas dos analistas. O grupo disse que todas as suas categorias de produtos registaram um crescimento de dois dígitos. As vendas de calçados aumentaram 21,6%, impulsionadas pelos segmentos de Performance e Sportstyle, os têxteis subiram 21,3% e os acessórios +15,2%.

As vendas aumentaram 31% na América do Norte e do Sul e 22% na Europa, Médio Oriente e África, com a Rússia e os mercados emergentes ganhando impulso. No entanto, as vendas na Ásia-Pacífico aumentaram apenas 1,7% devido às contínuas tensões na China, onde o grupo foi sujeito a boicotes, e ao fechamento de lojas devido às restrições sanitárias, como no Japão.


A Puma destaca o seu desempenho no terceiro trimestre - Puma


Em comparação com a Nike e a Adidas, a Puma mantém um modelo muito orientado para a saúde. Esta componente cresceu 22,6% para 1,47 bilhão de euros no último trimestre. A sua componente de vendas diretas representou cerca de 430 milhões de euros, +13,3%, com +4% nas vendas online.

Finalmente, o grupo alemão registrou uma melhoria no seu lucro operacional. O seu EBIT no terceiro trimestre foi de cerca de 229 milhões de euros, em comparação com os 189 milhões de um ano antes. Ao longo de nove meses, desde o início do seu exercício financeiro, o grupo registrou um aumento do volume de negócios (reportado) de 35,6% para 5,038 bilhões de euros, com um lucro operacional de 492 milhões de euros, em comparação com os quase 146 milhões do ano anterior.

"Esperamos que a forte procura dos nossos produtos continue, mas também vemos que as restrições de oferta continuam sendo um problema para o resto do ano", disse o diretor executivo da Puma, Bjorn Gulden, em um comunicado.

Fábricas no Vietnam, um importante fornecedor da indústria de calçados, foram fechadas devido à pandemia de COVID-19 e seus proprietários afirmaram que planejam retomar totalmente as operações apenas a partir da segunda metade de 2022.

A líder da indústria, Nike, reduziu a sua previsão de vendas para o ano fiscal de 2022 e disse esperar atrasos durante temporada de compras de Natal devido a um estrangulamento na sua cadeia de abastecimento.

(Com a Reuters)
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.