×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
16 de mar. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Política "zero Covid" na China pode retardar recuperação da indústria têxtil

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
16 de mar. de 2022

A situação da Covid-19 na China está preocupando a indústria têxtil. Em um momento de retorno da epidemia no país, a política "zero Covid" que consiste em confinar grandes territórios assim que surgem novos casos já não é mais unânime e faz com que os fabricantes temam que sua produção seja reduzida da noite para o dia, como atualmente nas regiões têxteis de Shenzhen e Xangai.


Shutterstock


Ao norte de Hong Kong, a província de Guangdong está com 17 milhões de pessoas confinadas devido a 66 casos confirmados. Informação que fez estremecer os empreiteiros internacionais, uma vez que a província concentra um grande número de indústrias têxteis e de vestuário que trabalham com exportação. No início da crise, 28.276 empresas têxteis locais exportavam sua produção, o que levou recentemente grandes feiras internacionais de vestuário têxtil a se voltarem para a capital local, Shenzhen, incluindo a francesa Première Vision e os salões chineses Intertextile e Chic, que desistiram de realizar seus eventos em Xangai.

Xangai também gera preocupações entre os clientes da indústria chinesa. A metrópole chinesa mais populosa também teve grandes áreas de seu território confinadas nos últimos dias. No entanto, a cidade está no coração de outro pólo de têxteis e vestuário. A província de Jiangsu, ao norte, e a de Zhejiang, ao sul, teriam, respectivamente, cerca de 13.600 e 12.300 empresas têxteis exportadoras, segundo estatísticas do setor.

Por enquanto, Shandong, a quarta província exportadora de têxteis, escaparia das medidas de contenção.

“Somos capazes de produzir respeitando as medidas sanitárias, mas esses confinamentos repentinos podem assustar nossos clientes”, disse o representante de um fabricante de calçados de Jiangsu ao FashionNetwork.com. O representante também aponta suas preocupações com o consumo local devido ao fechamento de shopping centers e consumidores com menos vontade de fazer compras. “Nos últimos dias, os clientes têm nos procurado porque estão preocupados. Esta solução (de “zero Covid”) é certamente eficaz, mas não devemos perder os pedidos que acabamos de conseguir”.

O temor é que a indústria chinesa veja o ímpeto iniciado em 2021 chegar ao fim, tendo a China aumentado suas exportações de vestuário em 24% ao longo do ano, e registrado um aumento de 16% em relação aos níveis pré-crise. Por parte dos dirigentes, que têm de lidar com a persistente crise do frete marítimo e o aumento do custo do frete aéreo após a invasão da Ucrânia, temem-se atrasos adicionais.

O nervosismo dos dirigentes é compreensível, principalmente na Europa, onde marcas e distribuidores testados pela crise sanitária estão agora resignados a ver o consumo sobrecarregado pelo clima de guerra que atravessa o Velho Continente. A China continua sendo de longe o principal fornecedor mundial de roupas, com 142 bilhões de dólares (129,7 bilhões de euros) em mercadorias exportadas em 2020, muito à frente do Vietnã (28 bilhões) e Bangladesh (27 bilhões), segundo a OMC.

Essa recuperação da epidemia chinesa também prejudica os fabricantes de roupas ocidentais, que em grande parte obtêm tecidos e outros materiais do Império Médio. Antes da crise, a China era o principal fornecedor de têxteis para a UE, com 11,3 bilhões de euros em materiais, segundo o Instituto francês da moda. Muito, muito à frente da Turquia (4,8 bilhões) e da Índia (2,7 bilhões). Acrescente a isso o aumento dos preços de transporte e a equação se torna ainda mais complicada para os fabricantes de todo o mundo.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.