×
901
Fashion Jobs
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral

Pokémon Go e o engajamento no ponto de venda

Publicado em
today 22 de ago de 2016
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

O varejo brasileiro tem passado por algumas turbulências desde o ano passado. O consumo diminuiu, e levou muitas lojas físicas a fecharem as portas. Dados da SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo) mostram que das 300 maiores varejistas, 88 reduziram o número de funcionários no ano passado, e 31 o número de lojas.

Atrair consumidores para as lojas físicas é um desafio para o varejo? Para especialista, o novo jogo do Niantic pode ser a ajuda que faltava para as marcas. - Foto: Matthew Corley / Shutterstock.com


Um cenário não muito diferente da crise econômica enfrentada em 2008 nos Estados Unidos, que fez muitas marcas repensarem sua estratégia e focarem no consumidor. No entanto, esse cenário pode mudar com uma nova leva de potenciais consumidores trazido pelo Pokémon Go.

Se você não prestou muita atenção no último surto do Pokémon, a hora é agora. O Pokémon Go não apenas construiu uma base de usuários rival para as principais redes sociais como Twitter, Facebook e Snapchat, como valorizou os negócios da Nintendo, que chegou a US$ 23 bilhões na bolsa em uma semana. Somente no Brasil, em menos de 24 horas, o jogo registrou mais de 50 milhões de usuários.

Usando dados de GPS, o jogo insere os jogadores no mesmo ambiente que os Pokémons. E é essa base massiva de fãs que gera números capazes de fazer executivos revirarem suas cabeças ao tentar entender como aproveitar o momento e aumentar as vendas. O fato é que o Pokemón Go tem potencial para fazer os varejistas, que dependem do aumento do tráfego de pessoas nas lojas, gerar receita.

Muitas lojas e restaurantes em todo o mundo já estão olhando para as vantagens do Pokémon Go, algumas já oferecem recompensas a visitantes que jogam em seus estabelecimentos. O Arizona Mall, recentemente, adquiruiu o módulo de atração, conhecido como lure module, que torna a loja em um Poke Stop e atrai Pokémons até o estabelecimento. A técnica funciona. Em uma pizza bar, em Nova York, o movimento aumentou 75% após a aquisição do módulo.

O jogo ainda não oferece nenhuma forma explícita de propaganda paga, mas existem indicadores de que a Niantic logo fará parceria com empresas como Mc Donald’s – talvez como forma de oferecer aos jogadores que pararem na rede de fast food um incentivo, como itens especiais ou Pokémons raros.

Em 2014, em entrevista com Kill Screen, o CEO da Niantic, John Hanke, ressaltou o valor potencial da realidade mediada nas ações de marketing para varejistas que fizerem bom uso em seus negócios: “Com esse tipo de propaganda, a loja física será um local ativo no jogo, e haverá incentivos para usuários que visitarem esses lugares.

Esse tipo de modelo de negócio ainda está em fase inicial, mas eu acho que é muito promissor. Os varejistas querem mais tráfego na loja e esperam que os clientes estejam engajados. Acho que esses jogos são uma ferramenta poderosa para isso”. O incentivo para varejistas é massivo: jogadores do Pokémon Go são engajados e geralmente usam mais o aplicativo do que as redes sociais populares, como Facebook e Snapchat.

Enquanto o Pokémon Go está chamando a atenção no varejo, essa é apenas a primeira de uma onda de aplicativos de realidade aumentada que quebrará as barreiras entre os espaços físico e virtual. As lojas físicas sempre terão estratégias para aumentar o movimento, mas o Pokémon Go é uma prova de que existem aplicações de realidade aumentada que fazem isso muito bem, ‘capturando’ os potenciais clientes que estão passando por perto. Cabe, portanto, ao varejista criar estratégias para fidelizar e reter o transeunte.

*Lisandro Sciutto é diretor de produtos da Infor Latam

Fonte: Portal NoVarejo

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.