×
Por
EFE
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
24 de jun. de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Peru desiste de sobretaxar confecções têxteis do Brasil

Por
EFE
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
24 de jun. de 2021

O governo brasileiro manifestou sua satisfação na terça-feira (22) com a decisão do Peru de desistir de impor salvaguardas à importação de têxteis do Brasil. O Peru é o sétimo maior destino das exportações brasileiras do setor de confecções. 


Archivo - Pixabay


“O governo brasileiro soube, com satisfação, que o Peru concluiu a investigação de salvaguardas contra importações de confecções têxteis sem a aplicação de medidas (restritivas) contra o Brasil”, informaram em nota conjunta os Ministérios da Economia e Relações Exteriores.

O governo brasileiro admitiu que a restrição teria um impacto negativo nas exportações do setor para o Peru, que em 2019 somaram 3,3 milhões de dólares, entre roupas e produtos de cama, mesa e banho.

Segundo o comunicado, as posições do Brasil, de defesa dos interesses de seus exportadores, se somaram às "manifestações de outros países e de setores empresariais em favor da não-aplicação de medidas. Ao final, a autoridade peruana concluiu não estarem dadas as condições técnicas para adoção das salvaguardas".

Segundo o governo brasileiro, após sete meses de investigação pelas autoridades peruanas, o Brasil conseguiu verificar que suas exportações para o Peru não prejudicam os produtores peruanos de têxteis e confecções.

A salvaguarda, uma medida de proteção admitida pela Organização Mundial do Comércio (OMC) em casos justificados, permite que um país ofereça proteção provisória a um setor da economia que sofre prejuízos causados ​​pela concorrência de importações de produtos beneficiados por práticas desleais de comércio.

“A decisão é um resultado positivo para o setor têxtil brasileiro e para a relação econômico-comercial do Brasil com o Peru”, conclui o comunicado.

© EFE 2022. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.