Pepe Jeans: Marcella Wartenbergh nomeada CEO

Mudanças estratégicas na direção da Pepe Jeans. A empresa catalã especializada no segmento de denim incorpora Marcella Wartenbergh como sua nova CEO. A executiva mexicana, que forjou a sua experiência nas fileiras do grupo PVH, substitui no cargo o histórico Carlos Ortega, acionista e fundador do grupo.


Marcella Wartenbergh é a nova CEO da Pepe Jeans - Archivo

Marcella Wartembergh, que ingressou na equipe da Pepe Jeans esta segunda-feira, reportará diretamente ao conselho de administração da empresa. A sua nomeação, anunciada por Carlos Ortega através de um comunicado interno aos funcionários do grupo têxtil, acontece após a empresa ter conseguido o refinanciamento da sua dívida em julho. O acordo, selado com 14 entidades financeiras, entre as quais o BBVA, o Banco Santander ou a Caixabank, chega a cerca de 230 milhões de euros. Paralelamente, os acionistas da empresa aprovaram um aumento de capital de 25 milhões de euros "para fortalecer a solvência do grupo e a capacidade financeira necessária para executar os planos de crescimento das suas diferentes marcas".
 
Responsável pela área de merchandising da Calvin Klein desde abril, Marcella Wartenbergh ocupou vários cargos de responsabilidade na PVH, a holding americana proprietária de marcas como Tommy Hilfiger, Arrow, Van Heusen, Izod, Speedo ou Calvin Klein. Nesta última, a executiva trabalhou anteriormente como diretora de licenças, responsável pela marca na Europa. Licenciada em Administração de Empresas pela Universidade Ibero-Americana de Puebla (México) e com um mestrado em Negócios Internacionais pela Universidade de St. Mary (San Antonio, Estados Unidos), Marcella Wartenbergh iniciou a sua carreira no departamento de compras da Tommy Hilfiger na Holanda, em 1999. Dezesseis anos depois, a executiva voltou ao México para ficar à frente da direção da marca no país.


A Pepe Jeans London é a marca principal do grupo - Pepe Jeans

A empresa de origem espanhola é proprietária das marcas Pepe Jeans London, Hackett e Façonnable. Além disso, gere a distribuição da Calvin Klein e da Tommy Hilfiger em Espanha. Controlada desde 2015 pelo grupo libanês M1, propriedade da família milionária Mikati, a Pepe Jeans é também propriedade da L Capital Asia, o fundo de investimento do grupo LVMH, que possui 12% do capital. A equipe de direção possui 8% da sociedade, enquanto os restantes 22% estão nas mãos do ex-CEO da empresa, Carlos Crespo.

O Pepe Jeans Group começou a perder em 2017, ano em que a faturação subiu para 531 milhões de euros. Segundo dados publicados pelo jornal El Confidencial, a empresa encerrou o ano de 2018 com uma faturação de cerca de 566 milhões de euros, enquanto o resultado operacional bruto foi negativo: -12,72 milhões de euros.
 
Fontes do setor apontam que os próximos movimentos da empresa para reorientar a sua estratégia passam por se desfazer do seu negócio na Índia e fechar alguns estabelecimentos da Façonnable, a marca francesa adquirida pelo grupo em 2016. A 31 de março de 2018 , o Pepe Jeans Group contava com 355 lojas próprias: 219 da sua marca principal, Pepe Jeans London, 105 da Hackett, 29 da Tommy Hilfiger, 2 da Norton e 16 da Façonnable.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirDenimNomeaçõesNegócios
ASSINE A NOSSA NEWSLETTER