×
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
14 de jan de 2019
Tempo de leitura
5 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Paris: semana da moda masculina promete ser explosiva

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
14 de jan de 2019

Tudo aquilo que dá que falar na moda masculina parece ter marcado encontro em Paris. Depois de Londres e Milão, segue a capital francesa, que confirma o seu domínio e o seu incomparável poder de atração. Nunca como nesta temporada a semana da moda masculina parisiense apresentou um cartaz tão interessante e emocionante. De terça-feira, 15 de janeiro, a domingo, 20, a Cidade Luz vai receber 56 desfiles dedicados às coleções de menswear para o outono-inverno 2019/20, contra 50 em junho passado.


A Celine, e a sua moda masculina lançada por Hedi Slimane, será o centro das atenções - © PixelFormula


Um programa cativante, que pode, no entanto, ser interrompido no sábado, 19, pelas manifestações dos coletes amarelos. Algo que levou algumas marcas a mover o seu desfile, como a Thom Browne, que desfilará mais cedo nesse dia, ou a Dior, que antecipou o seu desfile para o dia anterior, às 18h, obrigando a Enfants Riches Déprimés, cujo desfile extra-calendário estava programado para a mesma hora, a alterar a sua apresentação para as 20h. O desfile da Sacai foi antecipado das 10h para as 9h da manhã de sábado.

No cartaz, ao lado de grandes nomes como Louis Vuitton, Dior, Hermès, Balmain e os incontornáveis designers japoneses, nada menos que 11 novos nomes, entre estreantes e grandes regressos, marcas de prestígio e criadores emergentes, enquanto cinco marcas saem do calendário: Y/Project, que nesta temporada desfilou no Pitti Uomo; Maison Margiela e Agnès b, que optaram por um desfile misto durante a temporada feminina a partir de 2019; Lanvin, comprada em fevereiro pelo grupo chinês Fosun International, e num impasse, uma vez que o diretor artístico de moda masculina, Lucas Ossendrijver, acaba de sair de casa ao fim de 14 anos; e, finalmente, Alexander McQueen, que decidiu apresentar as suas coleções masculinas sob a forma de eventos mais íntimos. O primeiro acontecerá em Londres em maio de 2019.

Estas deserções serão em grande parte compensadas por uma série de novidades, incluindo o muito aguardado desfile da Celine Homme por Hedi Slimane, que vai fechar a semana no domingo 20, às 20h, e deve assinalar um importante novo capítulo para a casa. Os looks masculinos revelados em setembro (ver foto) com a coleção feminina foram particularmente apreciados pelos compradores. O estilista, que revolucionou a silhueta masculina durante a sua passagem pela Dior no início dos anos 2000, não deixará de provocar histeria...

Outro desfile sob alta tensão é o da Berluti, com a chegada aos comandos de Kris Van Assche, após a marca se ter ausentado em junho depois da saída de Haider Ackermann. O designer belga, que desenhou a moda masculina da Dior durante 11 anos, revelou alguns looks em outubro passado e rebatizou a marca de "1895 Berluti Paris". Grande antecipação pelo seu primeiro desfile na sexta-feira, 18, às 13h.

Juntamente com a Berluti, merecem destaque dois outros grandes regressos: o da Vetements, que desfilou durante a alta costura em julho passado e está se posicionando novamente no calendário masculino, e o de Raf Simons, que regressa em Paris depois de dois anos em Nova Iorque. O designer belga, que acaba de ser despedido pela Calvin Klein, marca da qual era diretor criativo desde agosto de 2016, tinha decidido morar na Big Apple, onde também desfilou a sua marca de moda masculina. A aventura americana parece ter terminado.


A Vetements regressa à semana da moda masculina de Paris - © PixelFormula


Entre as novas estrelas parisienses está o irlandês Jonathan Anderson, que abandona Londres durante uma temporada para apresentar em Paris a coleção da sua marca J.W. Anderson. O criador marcará também presença no sábado, 19, com a Loewe, a marca espanhola da qual é diretor artístico e que faz a sua entrada no calendário dos desfiles masculinos de Paris.

Outros grandes momentos: o primeiro desfile da Jil Sander em Paris, na sexta-feira, 18, com a marca a deixar as passarelas milanesas após vários anos, e o da moda masculina da Jacquemus, cuja coleção foi lançada no verão passado com um desfile em Marselha. Também serão com certeza acompanhadas de perto as segundas coleções de Virgil Abloh para a Louis Vuitton, na quinta-feira, 17, e de Kim Jones para a Dior, no sábado, 19, além da Alyx, no domingo, 20, que se estreou em Paris em junho passado.

Uma terça-feira rica em novidades

O primeiro dia, terça-feira, 15, rico em novidades, será também um dos destaques da Fashion Week, contando, pela primeira vez no calendário, com três dos criadores mais cobiçados do momento. Será o estilista americano Heron Preston a abrir o evento parisiense às 15h com a sua marca street, workwear e couture. Lançada no início de 2017, a marca está a passar por uma expansão fulgurante.

Segue às 16h, Fumito Ganryu, que escolheu a Cidade Luz após o aclamado lançamento no salão Pitti Uomo, em Florença, em junho passado, da sua nova linha casualwear com toques esportivos e athleisure. Finalmente, à noite, às 20h, os holofotes focam no talentoso designer japonês, Takahiro Miyashita, conhecido pela sua estética urbana experimental. O criador já desfilou na Fashion Week masculina parisiense no passado com a sua primeira marca, Number (N)ine, fundada em 1996, que parou em 2009. Miyashita regressou ao calendário com a sua nova marca, Takahiromiyashita The Soloist, lançada em 2010, que desfilou pela primeira vez em Tóquio e em Florença, no Pitti Uomo, em janeiro de 2018. O dia terminará com o desfile fora do calendário oficial da marca dinamarquesa de streetwear de luxo Han Kjøbenhavn.


Fumito Ganryu será um dos pontos altos da Fashion Week. A não perder, esta terça-feira,15 - © PixelFormula


Paris brilha também pelo seu emocionante calendário de apresentações, com muitos novos nomes e grandes estreias. Começando com a Maison Kitsuné, que vai apresentar na sexta-feira, dia 18, a primeira coleção da nova diretora artística, a sul-coreana Yuni Ahn, que foi anteriormente diretora do design das pré-coleções e coleções de passarela da Céline, após várias temporadas na criação de acessórios sob a égide de Phoebe Philo.

A Rochas Homme abrirá também um novo capítulo no sábado, 19, sob a égide do novo diretor criativo, Federico Curradi, bem como a Smalto, na sexta-feira 18, com a chegada de Jean-Luc Amsler. Na agenda das apresentações mais concorridas, a não perder: a marca Clot, de Edison Chen e Kevin Poon, de Hong Kong, a coreana System e a francesa Oneculture, que dá os seus primeiros passos. Mas, também a marca sustentável Phipps, lançada no ano passado por Spencer Phipps, um ex-estilista de moda masculina da Dries Van Noten, o japonês Yoshio Kubo ou ainda a Lazoschmidl, fundada em 2014 pela dupla sueco-alemã Josef Lazo e Andreas Schmidl, que desfila habitualmente em Estocolmo.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.