×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de jun. de 2022
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Paris menswear: visões contrastantes de Thom Browne e Celine

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de jun. de 2022

A Paris menswear testemunhou duas visões contrastantes no domingo (26): Thom Browne com um elegante vestido em bouclé de lã e Hedi Slimane com uma declaração retro rocker no meio de milhares de Millennials.
 

Celine: roupa banal e show febril


 
Banal é uma palavra que nunca pensamos dizer sobre  Hedi Slimane, mas esse é o adjetivo que nos veio à mente ao ver o seu último desfile para a Celine.


Coleção da Celine para a primavera-verão 2023 - Celine


Não que o evento tenha sido banal, apenas numa grande parte da coleção. De fato, havia uma sensação de frenesi palpável em todo o evento, encenado no Palais de Tokyo, ao longo do Sena. Começando com as enormes multidões – pelo menos 3.000 fãs – que aplaudiram e gritaram a rockers, influencers e, acima de tudo, membros do K-pop com origem na Coreia do Sul.
 
Quando Lisa de Blackpink – a rainha do K-pop e embaixadora da Celine desde 2020 – apareceu, a multidão entrou em overdrive, derrubando barreiras, gritando e projetando a voz para o interior. O fato de ela ter 78 milhões de seguidores no Instagram sugere uma certa popularidade.

Até Bernard Arnault (BA) – o homem mais rico da Europa, cujo conglomerado de luxo LVMH é proprietário da Celine – entrou em ação. BA esforçou-se lá fora para registrar a chegada dos amigos – do cantor sul-coreano V da BTS e do ator e cantor sul-coreano Park Bo-gum – no seu celular, enquanto um pequeno grupo de segurança e dezenas de influencers asiáticos seguiram os passos do multibilionário.
 
O desfile começou em força com blazers e smokings sob medida, carregados de cristais e com franjas e pérolas prateadas, combinados calções e botas Chelsea com solas enormes. Usados por modelos de cabelo pintado e penteado como nas primeiras capas dos Roxy Music.
 
O calçado preferido de Hedi foi um par de botas cubanas de cowboy com  salto alto que certamente encontrará seguidores. Tal como a etiqueta. Depois de talvez inicialmente ter lutado para deixar a sua marca na Celine, o rótulo tem vindo a ganhar aceitação. A LVMH não revela os resultados da Celine, mas a julgar pelos sorrisos emoldurados no rosto de Arnault, e o CEO da maison, Severine Merle, Hedi Slimane está claramente atingindo os números.
 
Mas não talvez ao zapping the zeitgeist. Pois esta foi uma coleção fraca, segundo os padrões de Hedi. Dos ternos com lantejoulas ou, melhor dizendo, da camisa de cabo Stars and Stripes, havia alguns poucos clangers. Mesmo a famosa alfaiataria de Slimane estava fora do jogo, com casacos demasiado grandes cortados com mangas  shrunken.
 
E a pura repetição da trilha sonora, escrita e interpretada por Gustaf – com a frase sem fim repetida, "You know people do terrible things" (Você sabe que as pessoas fazem coisas terríveis) – não ajudou.
 
Nem o fato de segundos após o fim do desfile, normalmente um momento, quando a audiência part rapidamente, um locutor insistiu: "Senhoras e senhores, por favor sentem-se, não podem sair". E aqueles que conseguiram escapar às garras dos seguranças e sair do espaço de arte foram saudados no exterior por multidões tão entusiasmadas, que dava a sensação do enredo do filme Day of the Locust.
 
Toda a questão sobre a carreira de Hedi é a habilidade com que aborda a cultura popular e a arte, usando o meio da moda. Este show, e esta coleção, no entanto, pareceu um mero reflexo pálido dos seus grandes momentos de temporadas anteriores. 
 

Thom Browne



É espantosa a quilometragem que se consegue tirar de um terno de flanela cinza, especialmente se for Thom Browne, que abriu os seus desfiles com cinco pequenos banqueiros. Antes das coisas ficarem bastante loucas.  
 
O quinteto de abertura apareceu no mais apertado dos casacos, calções, wingtips e pastas combinando/ Depois chegou um bando de ícones, beldades da sociedade e grandes damas que se valeram dos convites para a chegada tardia para o desfile – desde a atriz norte-americana Marisa Berenson até à diretora de cinema francesa Farida Khelfa de ascendência argelina. Sentindo remorsos e agindo horrorizadas por não terem conseguido encontrar os devidos lugares.


Coleção da Thom Browne para a primavera-verão 2023 - Thom Browne


Eventualmente sentado, o elenco retomou o seu passeio no seio do Automóvel Clube na Place de la Concorde, ostentando o tecido chave bouclé de lã, do tipo normalmente preferido pela Chanel, em hortelã-pimenta, rosa, cal e azul-marinho, terminado com fios metálicos. Coco para gatos cool.
 
Todos cortados suavemente em blazers, mini casacos, top coats e redingotes, embora com muitos acessórios perversos. Homens em soutiens bouclé; ou bouclé jockstraps. Estes últimos são usados com saias e bermudas.
 
Bouclé em mocassins, cintos, gravatas e até mesmo joias e adornos em miniatura em forma de âncora, até um canil de sacos com as formas de cães de raça – Jack Russells, Terrier, Corgi ou Dachshund.
 
Ligeiras referências de cowboy misturadas com códigos chiques Wasp, sublinhadas por uma canção "country-and-western" na trilha sonora da quebra de broncos.
 
Em movimentos mais divertidos, todo o elenco levava pequenos sinais com os seus números – como em velhos desfiles de alta costura – exceto os completamente fora de ordem.
 
Até ao look final, com um cowboy em bouclé de lã, que provavelmente nunca tinha cavalgado mais para oeste do que onde Christopher Street encontra o rio Hudson, mas fez uma grande imitação de uma "barn dance", ao som de "Madonna's Don't Tell Me".
 
Falando de enormes aplausos, após 12 dias e cerca de 100 shows, este foi o de maior alegria de toda a temporada da moda masculina na Europa.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.