×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de jun. de 2022
Tempo de leitura
6 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Paris menswear: intensidade e indiferença com Craig Green, Loewe e Hermès

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de jun. de 2022

Os dois designers mais desafiantes da moda masculina – Craig Green e Jonathan Anderson – apresentaram, no sábado (25 de junho), duas visões impressionantemente únicas em Paris, antes da Hermès dar uma lição salutar de chique indiferente.
 

Craig Green: 'Decorated Man' no Musée de l’Homme


 
A inspiração foi 'Decorated Man'; em exposição no Musée de l’Homme; e o resultado foi o show e a coleção desta temporada assinada por Craig Green.


Coleção Craig Green para a primavera-verão 2023 - Craig Green

 
Dominando elementos díspares desde as capas da Segunda Guerra Mundial, vestuário operário e banda desenhada até à cerâmica Wedgwood, Green apresentou uma brilhante contemplação da moda masculina, cuja influência se estenderá por todos os continentes.
 
Desde o seu trio de abertura com looks totalmente brancos: bata de cirurgião e calças largas, acessórios com cintos Sam Browne, colares e pulseiras, garrafas de água e um banco de motocicleta (a primeira das suas muitas extensões criativas). Mais tarde, elementos semelhantes foram repetidos num bege macio. Esta coleção possui uma paleta de cores perfeita, como o antracite, ouro desgastado, jeans cinza-azulado e rosé.

Por todo o lado, uma sensação de nômades reunindo ideias à medida que atravessam o planeta. Desde mochilas prateadas almofadadas, mochilas prateadas, arnês de asa-delta ou malas de homem, mas também capas de portáteis, cintos e guarnições de calças em ouro rosa. Muitas manchas de prata funcionais – sacolas reais para embrulhar peças de vestuário.

Craig voltou também à sua declaração de assinatura, com tendas de billowing, estendidas dos ombros de vários modelos, que se destacaram graficamente no interior do museu de Paris, que foi coberto de plástico totalmente branco para o desfile.

Alta moda conceitual, mas baseada em belos casacos de algodão ceroso; abafadores de prata mate, blazers acolchoados e calças ergonômicas. Não é de se admirar que a primeira fileira estivesse repleta dos melhores varejistas da indústria.

A inspiração inicial de Green é o 'Decorated Man', cujo conceito é o corpo como arte.
 
"Tentamos criar um homem muito utilitário, por isso acrescentamos uma sela e uma escada. E objetos conceituais – latas das quais não se pode beber, ou malas que não podem ser abertas", riu Green nos bastidores.
 
Uma seção heráldica de casacos almofadados gigantes com grinaldas e brasões foi, por sua vez, inspirada pelos padrões e formas das revistas esportivas. Antes de um final com casacos almofadados com motivos heráldicos; túnica e capas, tudo com a decoração da cerâmica Wedgwood.
 
"Foi como ver o Antiques Roadshow na minha juventude, quando a descoberta final foi um pote Wedgwood" acrescentou Green, que até incluiu uma nova visão mais arriscada da sua obra. Brilhantes tops biomórficos, recortados em misturas de materiais e papel de malha japonês, combinados com calças acolchoadas.
 
Enquanto o conjunto todo branco sugeria a ideia de cerâmica neoclássica onde o fundo é branco puro e os símbolos em relevo se destacam mais.
 
Green também entrou em overdrive com a sua colaboração de calçado com a Adidas, a primeira estação em que a marca utilizou a sola "Boost" como material de topside.
 
"Não sei se devo dizer isto, mas o Boost foi inventado para camas de vacas antes de ser usado em sneakers", sorriu Green, que também introduziu sandálias completamente lisas, bem como sapatos empacotáveis e "zippable" cobertos com zíperes.
 
Foi difícil encontrar uma nota negativa nesta coleção... porque não havia nenhuma. Em resumo, após 12 dias de apresentações de roupa masculina e quase 100 desfiles, Green teve a coleção mais notável.

Loewe: a natureza encontra a tecnologia



Arte, denúncia social, natureza e roupa da moda encontraram-se na Loewe, onde vimos outra decoração totalmente branca para um conjunto notável. A estes conceitos foi acrescentada uma mudança de direção bastante radical para a marca, com muitas ideias de vestuário ativo (leggings e tops de duas riscas) transformadas numa confecção artística.


Coleção Loewe para a primavera-verão 2023 - © PixelFormula

 
Outras marcas, desde a Dior à Zegna, fizeram referência aos grandes outdoors na semana passada. Em vez disso, o diretor criativo da Loewe enviou a natureza viva para a passarela , colaborando com um artista espanhol que incorpora plantas vivas em tecidos. O resultado: sneakers que brotaram lâminas de 15,24 centímetros de altura de relva; ou calças e casacos de luxo cobertos de musgo.
 
"É um pouco como quando se é jovem e se descobre que se pode cultivar agrião dentro de uma casca de ovo", sorriu Anderson, explicando que a Loewe planeava vender sementes verdadeiras com o calçado nas seus principais flagships.
 
Muitos modelos usaram máscaras de tela; outros desfilaram pendurados em capas de casulo cobertas com painéis de um metro de largura.
 
"É a ideia de que a natureza pode ser tecnologia, ou natureza tecnológica. E que se experimentássemos poderíamos encontrar diferentes métodos na moda para progredir", acrescentou.
 
Todos as telas mostravam imagens de natureza, tais como peixes tropicais ou abelhas. Tudo retirado da biblioteca de fotografias da Internet Shutterstock. Uma invenção adotada para fazer um grande teatro de moda.
 
"Gostamos da ideia de que estas fotografias foram tiradas por pessoas e apenas carregadas", explicou Jonathan.
 
Um elemento chave do renascimento da Loewe praticado por Anderson foi  o uso de couro espanhol, ligeiramente mais áspero do que o couro italiano ou francês, mas com uma mão mais fina. A sua passarela foi coberta com este material, visto em casacos de casulo ou botas volumosas, feitas em forma de mala de mão, e também em fechos de cordão.
 
"Sei que a moda está trabalhando com o Metaverso, mas talvez precise ser mais sobre a fisicalidade. Um pouco como o Vale do Silício: um oásis de tecnologia imerso num oásis da natureza. A moda deve ser uma janela para o mundo. Especialmente nesta altura, quando ligamos a televisão e parecemos menos progressistas", concluiu o irlandês do norte.
  

Hermès: chique "nonchalance"


 
"Nonchalance", um termo que vem da antiga palavra francesa que significa indiferença, foi a chave para esta última coleção da Hermès. De facto, uma sensação de leveza e indiferença pairava sobre este desfile, apesar de ser apresentado sob céus ameaçadores.


Coleção Hermès para a primavera-verão 2023 - Hermes


Nuvens tão escuras que a maison de moda francesa distribuiu impermeáveis e grandes guarda-chuvas a todos os convidados que entravam no pátio da Manufacture des Gobelins, a famosa fabricante de tapeçarias da cidade desde 1662, século 17. No final, nem uma gota de chuva caiu, talvez porque as próprias roupas eram muito sumarentas e sugeriam terraços ensolarados, cafés de praia, pores-do-sol mediterrânicos.
 
"Eu queria deixar a cidade para trás. E vi piscinas; padrões ondulados, distorcidos quando vistos através da água; cores cintilantes", sorriu Véronique Nichanian, designer de moda masculina da Hermès.
 
Numa jogada surpresa, Nichanian até apresentou várias mega bolsas  'Birkin' masculinas feitos em xadrez largamente espaçado para combinar com as camisas.
 
Vimos apenas um vestido e  uma série de grandes casacos sem mangas e anoraques feitos de nylon, algodão fino e no mais fino couro. Alguns deles complementados por incrustações que se assemelham a mini chapas. Quase nenhum terno à vista, mas muitas malhas apertadas em tons de pôr-do-sol e madrugada cor-de-rosa.

Quase todos os looks foram combinados com sandálias técnicas, como se estivessem com pressa de dar um mergulho antes do aperitivo. Parece uma boa ideia.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.