×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
4 de out. de 2022
Tempo de leitura
9 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Paris Fashion Week no fim-de-semana: Balenciaga, Valentino, Akris, Elie Saab e Givenchy

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
4 de out. de 2022

A Paris Fashion Week no fim-de-semana: guerreiros que regressam à Balenciaga; "Unboxing" na Valentino; uma celebração centenária na Akris; romantismo roqueiro com Elie Saab, e fiasco da moda na Givenchy.

Balenciaga: escavando na lama



Refugiados que retornam, marchando por uma paisagem cheia de lama; enormes buracos no solo como as consequências dum intenso bombardeio, na Balenciaga, no último cenário notável do diretor criativo da maison, Demna Gvasalia


Balenciaga - primavera-verão 2023 - Womenswear - Paris - © PixelFormula


Os modelos pisam todos em lama e em enormes poças num conjunto gigante construído dentro do Parc des Expositions, 20 quilómetros ao norte de Paris. Música techno trovejante durante todo o desfile, onde várias modelos transportaram bonecos de bebês reais dentro delas.  

"Sim, as bonecas eram muito realistas, bastante assustadoras. Tivemos muita dificuldade em estilizá-las", riu Demna.

Uma imagem particularmente forte num desfile especialmente marcante, onde a maioria das roupas foi usada, enlameada, besuntada e manchada. Alguns modelos do elenco transportavam ursos de brinquedo, pérolas no nariz, pulseiras com o logotipo B em volta do pescoço.

Abertura com Kanye West interpretando um segurança com casaco preto à prova de balas, calças almofadadas com hoodie, botas e boné, salpicando lama a cada passo. Seguiram-se crianças magricelas, muitas vezes sem camisa e em malhas usadas sobre calças jeans de tamanho exagerado e artisticamente salpicados.

"O que é o luxo? tenho lidado com este questionamento desde que comecei. É uma blusa de caxemira ou pode ser qualquer outra coisa? E, do meu ponto de vista, pode. Cobrir esta blusa com lama é uma referência a isto. A lama torna tudo real", explicou Demna, usando um hoodie preto untado e manchado.

"Fazer este hoodie sujo é muito mais difícil do que parece. Temos todo um departamento que tinge as coisas. É o oposto do que pensamos como luxo, que se destina a ser polido. Mas aqui o contexto é o que o torna luxo", argumentou.

Muito da força de maquiagem da temporada. Um elenco coberto de chifres, espigões que saem das suas bochechas, pérolas dos seus lábios. 

Além disso, a escolha de sacos de Demna foi outra coisa. Uma nova bolsa tote, composta por manga e tote a condizer, embrulhada debaixo do braço. Alguns combinados com estolas tipo cobra de dois metros de comprimento. Muitos modelos transportam sacos puffer nos braços ou nas mãos. Estes últimos, numa inspeção mais atenta, pareciam pacotes falsos de batatas fritas escritos com Balenciaga Paris, da Lays, uma marca popular da PepsiCo.

Roupas de volume considerável, desde saias-calças cortadas à frente, a um vestido punk pós-nuclear brilhante com alças, zíper e tachas.
 
"A única coisa que veio de Balenciaga foi um saco puffer, que este fez como um muff. Neste desfile, estou a tentar descobrir porque sou um designer. Por isso, esta foi uma afirmação muito pessoal. A sociedade e o luxo colocam-nos a todos em caixas. Foi assim que me senti durante toda a minha vida. Levei um murro na cara durante toda a vida", frisou. "É isso que a sociedade e a Internet fazem especialmente. Mas é preciso ser pugilista e, quando se é derrubado, é preciso se levantar. Eu sou naturalmente otimista, mas não podemos ser muito otimistas neste momento. Por isso estou mais esperançoso, do que otimista", concluiu. 

Valentino: o maximalismo encontra o minimalismo



O maximalismo encontrou o minimalismo na inovadora coleção de Pierpaolo Piccioli para a maison Valentino no almoço de domingo (2 de outubro), onde um bom quarto do público foi formado por admiradores vestidos com dezenas de looks cor-de-rosa do desfile rosa da temporada passada. Embora a imagem mais bela na primeira fila fosse Zendaya, brilhando em glitter preto. A sua chegada, 40 minutos após o horário oficial de início do desfile, provocou um enorme coro de gritos dos milhares de fãs presentes no lado de fora.


Valentino - primavera-verão 2023 - Womenswear - Paris - © PixelFormula


Uma vez que a star se estabeleceu, o primeiro modelo apareceu na nova impressão do logotipo “Tolie Iconographe” de Pierpaolo Piccoli, transformado num vestido capa muito fino com collants, sapatos, pochette e até rosto combinando, graças a uma maquiagem de logotipo notavelmente engenhosa.

Pierpaolo Piccioli raramente drapeou melhor roupas, fosse em vestidos de chiffon castanho lindamente esculpidos ou em engenhosos vestidos capa de georgette preto que poderiam envolver o torso ou ser lançados sobre o ombro para revelar as costas abertas.

O grande conceito de Pierpaolo Piccioli para a próxima primavera chama-se "Unboxing", ou estender os códigos da maison a chiffon, laço, lantejoulas e algo de grandeza dependendo de cada um em termos de proporção e corte.

Nesta temporada, ofereceu um novo collant e body em lycra cor de carne, para melhor acompanhar vestidos de festa justos, belos e um tanto reveladores, em maravilhosas exibições de lantejoulas e fragmentos de plástico.

Um elenco expandido, para um repertório expandido de ideias, já que o designer brilhantemente levou o DNA da Valentino a novos patamares. O seu elenco ainda incluía um punk com um moicano gigante. Difícil imaginar Valentino Garavani experimentando isso.

Durante uma nota prévia, Pierpaolo Piccioli explicou que conheceu um jovem em Roma, que lhe disse que sempre quis ser modelo num desfile de moda, mas que nunca mudaria em nada o seu look para realizar este seu sonho.

"Eu lhe disse- que não precisava mudar nada e o coloquei no show", riu o designer natural de Roma.  

Akris: um aniversário autoritário



Como vestir mulheres de autoridade, mulheres de inteligência e mulheres em posição de poder, sem cair na armadilha de reproduzir códigos masculinos para supostamente empodera-las?


Akris - primavera-verão 2023 - Womenswear - Paris - © PixelFormula


Uma das muitas provas do seu sucesso é que a maison celebrou o seu centenário este fim-de-semana com uma coleção refinada e nobre, encenada sob um céu ameaçador na fonte do Palais de Tokyo. Tudo contra um pano de fundo especial para o dia, a escultura brilhante de Ugo Rondinone, "We Are Poems", sublinhando o objetivo declarado pela fundadora e avó Alice de "definir a presença de uma mulher e realçar o seu carisma".

Albert Kriemler é um daqueles designers cujo trabalho começa com um esboço. Os não-profissionais ficariam surpreendidos com a quantidade de diretores criativos de hoje que não fazem disto o seu ponto de partida.

O esboço gráfico de Albert de um casaco com cinto, reavivando um clássico da maison apareceu no seu elegante desfile. Antes disso, um belo casaco cortado abriu o desfile. Feito de vigogne dupla face e usado com tênis combinando, tinha muita classe e era muito atual. Foi retirado de uma versão que Albert descobriu nos arquivos da maison, datada de 1978, como parte de uma extensa reconsideração do legado da marca para celebrar o seu centenário.

A etiqueta Akris, que nasceu em St. Gallen, Suíça, inclui o tecido da sua cidade natal, renda Guipur, na maioria das suas coleções. Raramente tem sido tão distinto como nesta temporada com blusas de tintos acobreados, vestidos de ouro desbotado e blusa branca romântica.

Com a Torre Eiffel do outro lado do rio como pano de fundo, o seu elenco era maravilhosamente diversificado – mulheres jovens com penteados afro, trintonas de cabelos pretos raspados, belezas de cabelos grisalhos e parisienses refinadas. Independentemente dos seus antecedentes, todas tinham um ótimo look.

Acrescente a estes lindos ternos estampados ou trench coats, vestidos cocktail e vestidos de malha perfurada, e um quarteto de vestidos sem mangas com frentes plissadas, e terá uma bela declaração de moda. 

A avó Alice Kriemler-Schoch, que fundou a empresa em 1922, ficaria certamente orgulhosa de ver a terceira geração, liderada por Albert e pelo seu irmão Peter, CEO, fazer da marca um sucesso tão grande. A resposta suíça a Chanel, que vestiu todos desde Amal Clooney e Condoleezza Rice até Angelina Jolie e Princesa Charlotte de Mônaco, que se sentou ao lado de Albert num jantar de celebração no Palais de Tokyo. Um jantar que foi regado com outra descoberta suíça, o Domaine Donatsch, um Chardonnay que rivaliza com muitos grandes vinhos franceses.

Givenchy: do Jardin des Plantes ao Triângulo das Bermudas



Os deuses do tempo têm sido cruéis para a Givenchy nesta temporada e as musas da moda também têm sido bastante desagradáveis. Um desfile ao ar livre com atraso de 40 minutos devido à chuva, e uma coleção que foi verdadeiramente um squib úmido. Do princípio ao fim.


Givenchy - primavera-verão 2023 - Womenswear - Paris - © PixelFormula


Mesmo a presença de supermodelos como Bella e Gigi Hadid não conseguiu salvar esta coleção, tão desprovida de classe, e tão cliché por todo o lado. Gigi, em particular, vestida com uma conjunto verdadeiramente horrível em jeans; Bella, pior. As suas mãos presas em saia jeans de cintura baixa e um soutien jeans com fivelas.

Quanto ao vestuário de noite, uma série de vestidos cocktails drapeados, muitas vezes cortados de um lado para revelar um sutiã. Era difícil de entender como alguém pensaria que seria possível incluir estes looks no desfile de uma das grandes maisons de alta costura de Paris.

Além disso, quanto menos se falar das botas de garotas de programa, que a maioria do elenco usou, melhor.

A única coisa boa neste desfile foi a passarela e o cenário feito de cortiça marrom. O que também facilitou a secagem, permitindo que pessoas como Kanye West, Olivia Palermo, Georgia  May Jagger e Noomi Rapace ocupassem os seus lugares com algum conforto.

Fora isso, tudo parecia um desastre. Duplamente dececionante, já que o designer da maison, Matthew Williams, apresentou uma coleção de moda masculina muito fina e inventiva em junho.

É por isso que esta marca se tem revelado tão problemática desde a reforma de Hubert de Givenchy, que é difícil de compreender. Três estilistas britânicos – John Galliano, Alexander McQueen e Julien Macdonald mal duraram algumas temporadas, transformando imediatamente a Givenchy numa porta giratória. Riccardo Tisci, pelo menos fez dela um sucesso na sua estadia prolongada com o seu modo gótico mediterrânico, sem aumentar significativamente as receitas. E ignorando basicamente a maioria dos códigos da maison. Antes de outra britânica, Clare Waight Keller, restaurou grande parte do DNA do fundador, embora sem ganhar muita atratividade.

Pouca maravilha, a Givenchy parece ser o Triângulo das Bermudas da moda, uma maison armazenada onde até estilistas muito talentosos tendem a perder-se. Tal como Williams fez, quase completamente, nesta temporada.

Elie Saab: quente, rica e usável



Uma rápida mudança de direção em Elie Saab, onde o costureiro fenício (hoje libanês) injetou uma pitada de artista cool à sua estética, o que foi ainda melhor para ele.


Elie Saab - primavera-verão 2023 - Womenswear - Paris - © PixelFormula


Elie Saab brincou com seus florais favoritos, reforçando-os com blocos de cores bem escolhidos, como misturas de amarelo canário e branco, saias com folhas coloridos e tops esportivos.

Mas a ideia principal de Elie foi uma dúzia de looks de renda relevada, crochet em charmosos tops curtos, saias com aberturas, calças largas e até hoodies, para um pôr-de-sol frio. Tudo embelezado com plataformas inteligentes e cunhas cobertas com corda.

No entanto, o cerne da questão com Elie é sempre a noite, nesta temporada com deusas roqueiras. Os seus vestidos foram acentuados com bouquets florais em bordados pregados a linha em tule nude e vestidos cocktail recortados.

Antes de passar para vestidos esvoaçantes de georgette rosa escuro e roxo imperial romano. Alfinetes florais de nós esmaltados, brincos e pearcings de orelha Elie Saab completaram o look.

Muito parecida com a nova versão inédita Saab by Saab, a sua primeira fila era uma mistura eclética, que incluía a socialite norte-americana Olivia Palermo; a apresentadora iraniana e estrela da Gulf TV, Diala Makki; e o estilista georgiano Guram Gvasalia.

"Chique atemporal com um toque de frescor de jardim", foi o comentário de Saab.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.