×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
8 de mar. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

Paris Fashion Week: 'la vie en rose' de Valentino e o 'total black' de Ann Demeulemeester

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
8 de mar. de 2022

Após dois anos de pandemia, os estilistas de moda estão voltando ao essencial, começando pela  total look, que inclui um enfoque especial na paleta escolhida para as suas coleções. Este fim-de-semana, duas maisons em particular levaram o conceito de cor monocromática ao extremo nas passarelas da Paris Fashion Week (PFW), dedicada ao vestuário feminino para o outono-inverno 2022/2023.
 

Valentino, outono-inverno 2022/2023 - DR


Num gesto forte, a Valentino declina todo o seu guarda-roupa numa única tonalidade (exceto o look preto para fechar o desfile): um doce cor-de-rosa. Era como se uma enorme lata de tinta se tivesse derramado pelo estúdio, colorindo em neon tudo o que encontrava no seu caminho, roupas, collants, luvas, sapatos, malas, joias... incluindo o espaço do Carreau du Temple, que abrigou o desfile, transformado numa enorme caixa rosa.

"Este rosa foi a primeira cor em que pensei porque sempre esteve presente nas minhas coleções. Não se trata de um estilo feminino, mas de partir de uma base monocromática para mudar a perceção do olhar. Quando tudo é da mesma cor, concentramo-nos mais nos detalhes, volumes, proporções e cortes. Não se faz distinção entre gêneros, mas vê-se pessoas reais", disse o diretor artístico Pierpaolo Piccioli em uma conversa improvisada ao final do desfile, revelando que este tom, chamado Pink PP, deve ser incluído no catálogo Pantone.

Para esta coleção, Piccioli inspirou-se num caleidoscópio de imagens, cuja beleza queria captar. Dos quadros de David Bowie a um retrato de Audrey Hepburn, das telas de Piero della Francesca às fendas ou cortes de Lucio Fontana. "Pensei em Fontana com a sua forma de cortar as telas e o seu trabalho monocromático. Eu queria aquele momento de reflexão, de calma, quando tudo ainda está suspenso. Utilizar esta cor única era uma forma de fixar a beleza do momento. Tudo é suspenso nesta cor, tal como senti a necessidade de alongar a silhueta, de trabalhar na vertical, sempre nesta ideia de suspensão", explica.
 
De fato, os modelos calçaram sapatos de saltos e plataformas vertiginosas, os seus braços e pernas como se fossem pintados de rosa através de collants e luvas longas. Alternam entre roupas curtas (mini vestidos, terninhos, blusas maxi com lantejoulas transformadas em micro túnicas) e roupas compridas (casacos grandes com caudas, vestidos de noite, etc.). Os cortes são alternadamente clean e precisos, nomeadamente nos decotes que seguem a curva dos seios com precisão, ou mais desfocados em grandes vestidos de malha fina, conjuntos de seda e tafetá ou corpetes transparentes bordados com flores, mas também mais fluidos, em particular através de macacões com lantejoulas, agasalhos de treino e outros confortáveis terninhos com calças.


Ann Demeulemeester, outono-inverno 2022/2023 - © PixelFormula

 

Inverno glacial com Ann Demeulemeester



Ann Demeulemeester, por outro lado, imaginou um inverno gelado. Toda a coleção da marca foi construída em torno do comprimento e de uma peça chave: o casaco. Veste-se, protege, envolve-se. Cobre o corpo até aos pés, escovando o chão. Feito de feltro, tecido de lã espesso, couro amassado ou lã penteada, está disponível como capote, de pêlo liso ou trespassado, com ou sem gola. Mas também como caban, casaco, perfecto e até mesmo coletes emprestados do terno de três peças, sem mangas, que cai até aos pés.

Este maxi casaco alonga a silhueta, tomando o ar da batina de um padre ou do casaco de um cowboy solitário, realçado por um chapéu de feltro preto que cobre os olhos. Os ténis brancos e as meias pretas altas definem os looks, todos em preto ou cinza, ocasionalmente abrilhantados por golas de algodão branco removíveis.
 
Vestidos retos com decotes em V profundos e saias de lã, divididos atrás, igualmente compridos. ternos largos com casacos até à coxa adicionados ao guarda-roupa, enquanto para à noite, tanto mulheres como homens, casacos cintilantes.
 
Na primeira fila, a fundadora Ann Demeulemeester assistiu ao desfile da maison, que foi comprada em 2020 pelo empresário italiano Claudio Antonioli. Não quis falar. Disse apenas: "Estou muito feliz" com o novo capítulo que a marca iniciou.

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.