×
820
Fashion Jobs
CAEDU
Supervisor de Vendas - Barueri
Efetivo - CLT · Barueri
STUDIO Z
Coordenador de Planejamento Comercial
Efetivo - CLT · FLORIANÓPOLIS
GRUPO MEIA SOLA
Gerente de Marketing
Efetivo - CLT · FORTALEZA
GRUPO BOTICARIO
Executivo de Vendas ii (São Paulo)
Efetivo - CLT · São Paulo
LULITEX COM IMP EXP LTDA
Auxiliar Comercial
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas Pleno - Treinamento e Desenvolvimento
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO LUNELLI
Analista de Gestão de Pessoas - Assistente Social
Efetivo - CLT · Guaramirim
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - Quem Disse, Berenice?
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
CAMICADO
Supervisor de Vendas e Operação de Loja - Brasília
Efetivo - CLT · Brasília
RENNER
Encarregado de Logistica E-Commerce
Efetivo - CLT · Rio de Janeiro
GRUPO BOTICARIO
Supervisor(a) de Lojas - o Boticário
Efetivo - CLT · Belo Horizonte
GRUPO BOTICARIO
Product Owner E-Comm
Efetivo - CLT · Curitiba
IBRANDS
Líder de Logística
Efetivo - CLT · SÃO PAULO
GRUPO BOTICARIO
Analista Gestão de Riscos Csc pl
Efetivo - CLT · Curitiba
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
AVON
Comprador Sênior
Efetivo - CLT · São Paulo
RENNER
Supervisor de Vendas| Sobral Shopping - ce
Efetivo - CLT · Sobral
RENNER
Supervisor de Vendas | Rio Verde
Efetivo - CLT · Rio Verde
RENNER
Supervisor de Vendas| Imperial Shopping - Imperatriz ma
Efetivo - CLT · Imperatriz
RENNER
Supervisor de Vendas| Shopping Golden Calhau - São Luís
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| São Luís Shopping
Efetivo - CLT · São Luís
RENNER
Supervisor de Vendas| Natal Shopping
Efetivo - CLT · Natal

Para onde vai a Abercrombie & Fitch?

Publicado em
today 13 de jul de 2017
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

O setor de moda é conhecido por sua efemeridade. O produto que é desejado hoje pode começar a encalhar na prateleira amanhã. Essa é exatamente a história que a grife americana Abercrombie & Fitch vem se deparando nos últimos quatro anos. A mudança no estilo dos jovens e declarações polêmicas de antigos comandantes vêm fazendo as suas vendas caírem desde 2012.


O capítulo mais recente dessa novela ocorreu nesta semana, quando a empresa decidiu suspender as negociações de uma possível venda. O mercado não gostou da desistência. O resultado foi a queda de 30% no preço de suas ações. Atualmente, a empresa tem o menor valor de mercado desde maio de 2000.

O mesmo movimento acontece com o número de lojas. De 2012 para cá, a empresa fechou 250 unidades. E analistas de mercado entendem que essa deve ser a tônica dos próximos anos. Mais: a venda deveria, de fato, o melhor caminho.

“A CEO Fran Horowitz vem tomando medidas para satisfazer o mercado, mas a saída mais provável seria a venda”, diz o relatório da Exclusive Capital, consultoria americana de análises financeiras.

Concorrentes e fundos de investimento estavam interessados, como a empresa de private equity Sycamore Partners – segundo a agência de notícias Reuters, foi a que chegou mais próxima de um acordo.

Crise de identidade

Acostumada a ser desejada e cobiçada por jovens e adultos nos últimos vinte anos, a Abercrombie & Fitch parou no tempo. Suas roupas de cores chamativas e com o logotipo gigantesco caíram rapidamente em desuso desde 2012. Na opinião de especialistas, eles perderam o contato com o consumidor.

Concorrentes seguiram caminho semelhante, mas com resultados ainda piores. É o caso da Aeropostale, com modelos de coleções bem similares – para não dizer iguais – da Abercrombie & Fitch. Em setembro do ano passado, a empresa pediu falência.

Para piorar a situação da Abercrombie, que também é dona da marca Hollister, o seu ex-CEO, Mike Jeffries, se envolveu em diversas polêmicas desde o início da década. Em 2013, por exemplo, afirmou que as suas marcas não eram para ser vestidos por pessoas feias ou acima do peso. Não por acaso, suas lojas eram repletas de modelos ostentando suas barrigas chapadas.

Isso, no entanto, criou diversas campanhas contra a marca, que acabou sofrendo rejeição de parte do público. No fim de 2014, com resultados financeiros insatisfatórios e pressão popular, Jeffries foi demitido.

Para onde vai a marca?

Essa é a pergunta que vale mais de um bilhão de dólares. Isso porque, desde 2012, o faturamento da empresa já encolheu US$ 1,2 bilhão. A empresa fechou 2016 com uma receita líquida de US$ 3,3 bilhões.

Além da venda, uma saída na visão de especialistas seria investir em mercados emergentes, onde a marca ainda tem uma certa aura de exclusividade. Somente na China foram abertas 10 lojas em 2016. A América Latina é um alvo que ainda está sendo ignorado – são apenas quatro lojas no México e por meio de franquias.

“Se você vai nas lojas em Miami, por exemplo, 70% é de público latino, especialmente brasileiros”, afirma Douglas Carvalho, dono da consultoria Target Advisor, especializada em fusões e aquisições no setor de moda. “Está demorando para eles colocarem lojas em países como o Brasil.”

Outra tentativa da companhia é de apostar em sua marca Hollister – a única que parece sobreviver aos tempos perversos pelo qual passa a empresa. Enquanto a marca mãe teve queda de 10% das vendas de janeiro a março deste ano, a Hollister cresceu 3%.

Fonte: Portal NoVarejo

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.