×
Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
13 de abr. de 2020
Tempo de leitura
2 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

OMC prevê queda de até 32% no comércio mundial

Por
Reuters
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
13 de abr. de 2020

Segundo a Organização Mundial do Comércio (OMC), o coronavírus deve prejudicar mais comércio mundial do que a crise financeira de 2008-2009, mas espera-se que haja uma recuperação no próximo ano, desde que os países cooperem.


O comércio deve se recuperar no próximo ano, de acordo com a OMC - Photo d'archives / Reuters / Denis Balibouse


A instituição prevê uma queda de 13 a 32% no comércio de mercadorias, uma faixa cuja amplitude reflete a incerteza atual sobre o impacto da crise da saúde que afeta quase todos os países do mundo.

Os números são inegavelmente ruins", disse o diretor-geral da OMC, Roberto Azevêdo, em comunicado. "Mas é possível uma recuperação rápida e vigorosa. As decisões de hoje determinarão o formato da recuperação e as perspectivas de crescimento global", acrescentou,  ressaltando a importância de manter os mercados abertos e evitar incertezas, a fim de incentivar o investimento. "Se os países trabalharem de mãos dadas, cresceremos muito mais rápido do que se cada um agir sozinho", enfatizou.
 
Até 2021, a organização internacional sediada em Genebra disse que espera que o comércio se recupere entre 21% e 24%, e explicou que a extensão da recuperação dependerá em grande parte da duração da epidemia e da eficácia das medidas aplicadas para limitar seu impacto econômico.
 
A OMC confirmou que 2019 terminou com uma queda de 0,1% no comércio como resultado das tensões comerciais entre os Estados Unidos e China e a desaceleração do crescimento mundial. Em outubro, a organização previa um crescimento de 2,7% no comércio mundial em 2020, após o aumento de 1,2% esperado para 2019.
 
O comércio de serviços não foi considerado nas previsões da OMC, mas ela acredita que este pode ser ainda mais afetado do que o comércio de mercadorias devido às restrições no transporte e no turismo.

© Thomson Reuters 2022 Todos os direitos reservados.

Tags :
Negócios