×
891
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

O futuro do consumo varejista

Por
Exclusivo
Publicado em
today 2 de mar de 2014
Tempo de leitura
access_time 4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

O varejo é incrivelmente dinâmico: “Veremos mais mudanças nos próximos 10 anos do que vimos nos últimos 100″, disse Doug Stephens, fundador da Retail Prophet e autor de "The Retail Revival: Re-Imagining Business for the New Age of Consumerism".

Stephens publicou recentemente suas 10 previsões sobre como o varejo vai mudar nos próximos anos. Confira:

1. As empresas estão pesquisando tudo sobre você de diferentes formas

“Neurologistas alemães estão mapeando ondas cerebrais em resposta à precificação de produtos e descobrindo alguns insights sobre como o cérebro humano percebe preço e valor”, Stephens escreveu. “Os varejistas tem agora uma capacidade sem precedentes para usar a tecnologia a fim de entregar inteligência, não sobre o que os consumidores dizem que vão fazer, mas sim sobre o que eles atualmente fazem”.

2. Entregas no mesmo dia (ou na mesma hora) serão comuns

Um dos mini-drones da Amazon, que planeja usá-los para entregar pequenos pacotes aos consumidores. Foto: Amazon / AFP - Foto: AFP


A Amazon está testando um sistema de entrega em 30 minutos com um drone. Embora a ideia de robôs realizando entregas seja estranha, Stephens diz que os consumidores vão esperar por isso em breve. Para competir com o varejo on-line, as lojas físicas devem começar a usar centros de distribuição e logística.

3. Lojas tradicionais terão a mesma inteligência analítica que as lojas on-line

“O conhecimento de quem está na loja; para onde o cliente vai se movimentar e os produtos com quem ele vai interagir serão instantaneamente e constantemente calculados”, diz Stephens. “Quando caminhamos numa loja física, nosso histórico de pesquisa vai nos acompanhar e informar nossa experiência de compra física”. A Apple implementou recentemente a tecnologia blue-tooth que percebe quem está na loja.

4. Empresas de mídia começarão a vender produtos

O atual papel da mídia como anunciante está mudando, e as empresas estão começando a vender produtos por elas mesmas. Por exemplo, grande parte da Revista Harper's Bazaar pode ser comprada. ”Programas de TV vão gerar receita com a venda de produtos, não mais apenas com a propaganda deles”.

5.  A “nova Revolução Industrial” vai começar


Em resposta às greves por melhores salários, empresas como McDonald’s e Walmart vão começar a automatizar o máximo de tarefas possíveis.

Isto já está em andamento, com a instalação de 10.000 sistemas de checkout no Walmart. O McDonald’s na Europa já instalou 7.000 touch screens este ano.

6. As linhas entre o comércio on-line e off-line vão sumir

No ano passado, o eBay lançou o “digital storefronts” em Nova York e São Francisco, que permitia que os consumidores fizessem pedidos para serem entregues no mesmo dia. Stephens diz que esta é uma forma fácil que os varejistas encontraram para impressionar os consumidores.

“Estas instalações não somente acrescentarão um elemento de surpresa e variedade para os consumidores, mas elas também permitirão que as marcas se estabeleçam em locais oportunos e muitas vezes menos convencionais”, diz Stephens. “Estas instalações não precisam de inventário nem de suporte técnico periódico, o que não requer seres humanos”.

7. A privacidade se tornará um negócio

Os consumidores estão cada vez mais preocupados com sua privacidade, enquanto fazem compras on-line, e começarão a pagar por serviços que os mantenham no anonimato. Com isso, os varejistas terão de se empenhar em confortar os clientes, certificando que a compra é segura.

8. As pessoas não se preocuparão muito com a propriedade

Conforme a classe média se difunde e a cultura passa a ser a de viver com menos, os consumidores vão passar a analisar as compras mais de perto. “Carros, casas, utensílios, eletrodomésticos e pousadas serão cada vez mais comuns”. A Rent The Runway, que permite que as mulheres aluguem vestidos para ocasiões especiais, é um bom exemplo dessa tendência.

9. Comentários na Redes Sociais terão impacto nas compras


A Nordstrom lançou recentemente um programa que exibe os produtos mais populares do Pinterest. Isto vai se tornar ainda mais popular neste ano, conforme os consumidores procurarem comentários e opiniões de outras pessoas.

10. Os preços poderão variar diversas vezes em uma hora

Os varejistas vão começar a testar a “precificação dinâmica” nas lojas, possibilitando as mesmas vantagens competitivas de sites como Amazon e Priceline. “Espere para ver a incorporação de outros dados como clima, preços e até mesmo itens já constantes no carrinho de compra dos clientes”.

Fonte: Blog Universo Varejo

Copyright © 2019 Exclusivo On Line. Todos os diretos Reservados.