×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de jul de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

O fio condutor da Alta-Costura da Christian Dior

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de jul de 2021

O fio condutor da última coleção da Alta Costura da Christian Dior foi expresso nos materiais notáveis e no cenário único construído para o seu desfile de moda em Paris.

The Dior Autumn-Winter 2021-2022 Haute Couture Show


Realizado na tarde de segunda-feira (5 de julho), dia de abertura da temporada de alta -costura de quatro dias na capital francesa, o desfile ao vivo foi montado dentro de uma magnífica tenda retangular, cujas paredes foram todas decoradas por uma gigantesca estampa chamada Chambre de Soie (Câmara da Seda), criada pela artista parisiense Eva Jospin.
 
Embora o ponto de partida para a diretora criativa da Dior, Maria Grazia Chiuri, tenha sido a leitura da obra Threads of Life (Fios da Vida), um livro em que a escritora escocesa Clare Hunter estuda filosoficamente a influência dos tecidos e materiais na história.
 
"Neste momento realmente difícil é muito importante demonstrar solidariedade em todo o mundo. E fiquei fascinada com a interpretação de Thomas sobre o papel em tantas sociedades e nacionalidades dos têxteis, e de todos os artesãos e 'les petites mains' que cosem, tecem e bordam os tecidos", explicou Chiuri antes do evento.


Christian Dior - Alta Costura - outono-inverno 2021/2022 - Foto por cortesia da Christian Dior


O impressionismo em múltiplas formas visto nos tecidos brilhantes que foram o material vivo desta coleção para o outono-inverno 2021/2022. Desde a surpreendente combinação da malha de poliamida entrelaçada com microcristais até aos deslumbrantes padrões florais de veludo em jacquard feitos por Bucol de Paris.

No entanto, a grande novidade da moda foi a sutil coordenação de cores em múltiplos looks para o dia: graduações de tweed cinzento mosqueado; malhas e cashmere, vistas em várias jaquetas Bar, combinações de blazer e casaco.

Chiuri gosta que a sua roupa de dia seja polida mas sempre prática; com dezenas de looks combinados com botas de tweed cortado em viés. Também jogou com casacos de tons e tecidos contrastantes, sobretudo uma peça cinza que será o centro das atenções em um grande museu de moda.

"Uma grande maison como a Dior não pode esquecer o valor de todas estas bordadeiras e artesãos qualificados e, por vezes, estas habilidades são vistas como um mero trabalho doméstico. E não deve ser assim pois são técnicas e conhecimentos únicos transmitidos de uma geração para a outra", destacou Chiuri.


Christian Dior - Alta-Costura - outono-inverno 2021/2022 - Photo: Courtesy of Christian Dior


A designer italiana mostrou-se suficientemente confiante para experimentar muitos dos looks icónicos de Monsieur Dior, alongando o tronco da jaqueta Bar e alongando a sua saia em uma versão modernista do New Look.
 
Enquanto as mulheres bilionárias ou clientes como as princesas do Golfo que fazem raras aparições em Paris, assim como estrelas de cinema, não faltaram na primeira fila. A atriz norte-americana Jessica Chastain juntou-se à atriz e modelo britânica Cara Delevingne, ao lado do CEO da Dior, Pietro Beccari.
 
Com um total de 75 looks, o desfile, porém, vacilou no meio. Chiuri deve estar cansada de dirigir tantos desfiles de sucesso comercial e de crítica para a Dior. Duas semanas atrás, ela apresentou uma coleção Cruise em Atenas, e na semana anterior a esse desfile de alta-costura, ela estava ocupada preparando o próximo desfile de moda para outubro. Parecia que o botão de editoração eletrônica estava desativado. Podar meia dúzia dos mais de vinte looks cinza teria sido útil.


Christian Dior - Alta-Costura - outono-inverno 2021/2022 - Photo: Courtesy of Christian Dior


Para a noite, no entanto, Maria Grazia Chiuri desenhou vários vestidos de chiffon cortados ao estilo imperial e com caudas, que a maioria das mulheres sonharia em usar. Mais uma vez, Chiuri fez referência a uma ideia do mais antigo estilista da maison, Marc Bohan: boné de jóquei de 1964 chamado Ludovic.

"Bohan se juntou ao movimento jovem da década de 60 com um chapéu de equitação bacana, depois de anos de grandes construções florais na Dior", observou Stephen Jones, o modista de longa data da empresa. 

Uma parceria franco-italiana, entre Chiuri nascida na Itália (Roma) e Eva Jospin, nascida na França (Paris), que estudou na Villa Medici de Roma, o instituto cultural francês da capital italiana.
 
Durante a sua estadia em Roma, Jospin visitou o Palazzo Colonna e descobriu a extraordinária sala 'Salle aux Broderies', cujas paredes são todas revestidas com painéis de tecido, algo que a inspirou.


Christian Dior - Alta-Costura - outono-inverno 2021/2022 - Photo: Courtesy of Christian Dior


No final, a enorme pintura de Eva Jospin para a Dior fez alusão a uma série de artistas e às suas obras: desde as paisagens marítimas de William Turner e jardins de Pierre Bonnard, às antigas ruínas de Hubert Robert e às paisagens de Jean-Édouard Vuillard.
 
Com grandes costuras e bordados feitos na Índia, a Chambre de Soie é uma obra gigantesca com cerca de 100 metros de comprimento. Foi produzida pela Dior como o cenário perfeito para a nova alta-costura da maison. A Chambre de Soie permanecerá como uma instalação no jardim do Museu Rodin durante seis dias.
 
A próxima exposição de Jospin está prevista para Giverny, o santuário do Impressionismo onde se encontra a casa de Claude Monet (atual fundação do pintor). É provável que seja um trabalho massivo.
 
Christian e Claude certamente teriam aprovado.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.