×
Por
Portugal Textil
Publicado em
3 de nov. de 2017
Tempo de leitura
3 Minutos
Compartilhar
Baixar
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Tamanho do texto
aA+ aA-

O calcanhar de Aquiles das marcas

Por
Portugal Textil
Publicado em
3 de nov. de 2017

A indústria da moda sempre acusou algum ceticismo e até lentidão a adotar novas tecnologias e, embora a maioria das marcas de moda tenha agora plataformas de comércio online, muitas delas ainda acreditam que isso basta para ingressar na era de compras moderna.



Por isso, a maioria faz muito pouco para se envolver e facilitar as compras mediadas pela tecnologia, nomeadamente pelos dispositivos móveis, avalia o portal de moda Fashionista.

Um estudo recentemente publicado pela plataforma de varejo móvel NewStore detalha todas as vias pelas quais as marcas podem utilizar os recursos móveis para seu benefício direto e que, no entanto, não estão explorando.

No atual cenário competitivo e em constante mutação do varejo, seria de esperar que as marcas já tivessem esgotado todas as possibilidades de melhorar a experiência do cliente e impulsionar as vendas. Porém, ainda há um longo caminho a percorrer – e muitas ferramentas por explorar.

No seu estudo, a NewStore observou 140 marcas de luxo, lifestyle e vestuário, dando-lhes a nota coletiva de C +.

«Na realidade, muitas marcas estão apenas na superfície e, assim, perdendo o potencial impulso que o comércio móvel pode ter nas receitas, especialmente no contexto do omnicanal», pode ler-se no documento da NewStore.

Apps

A NewStore cita uma estatística da Digital Commerce 360 que mostrou que os consumidores são três vezes mais propensos a comprar via app do que num website. A explicação é simples: se alguém se mostrou disposto a esperar para completar o download de um aplicativo de uma marca, muito provavelmente é um cliente existente e fiel. Ainda assim, os varejistas estão perdendo uma oportunidade real de fomentar as vendas móveis ao não oferecerem um app exclusivo de compras aos seus clientes.

Dificuldade de acesso

A porcentagem de marcas analisadas que «capacita os seus funcionários de loja com smartphones ou tablets» está nos 51%. Porém, apenas 25% têm informações de stock em tempo real, algo vital quando os clientes têm dúvidas e pouco tempo disponível para as esclarecer.

Espreitar a loja

Durante a navegação online, muitos consumidores querem ver o que está disponível na loja mais próxima da marca. Contudo apenas 30% das marcas oferecem essa possibilidade.

Notificações push

Quando são direcionadas considerando o perfil do utilizador, as notificações push (mensagens instantâneas que aparecem em destaque no smartphone) podem ser muito eficazes. No entanto, apenas 3% das marcas as usam para enviar notificações personalizadas para os seus clientes.

Chat

Os chatbots, ao que tudo indica, são uma das grandes tendências do varejo online, mas apenas 24% das marcas disponibilizam a função de chat.

Comprar online/recolher em loja

Outra das grandes estratégias do varejo omnicanal é a possibilidade de o cliente comprar online e recolher na loja física. Os consumidores valorizam a conveniência, mas apenas 18% o fazem via smartphone.

Apple Pay

Muitas marcas já aceitam o sistema de pagamento móvel Apple Pay, mas a porcentagem ainda se situa apenas nos 34%, frustrando as expectativas de muitos clientes.

Copyright © 2022 Portugal Têxtil. Todos os direitos reservados.